Header Ads

Vereador declara que não há mortes por homofobia no Ceará. Oi?



“Eu desafio qualquer parlamentar a me mostrar um homicídio por homofobia ou racismo no Ceará”, a afirmação acima é do vereador cearense Dummar Ribeiro (PPS). A declaração foi feita na manhã de hoje, 10 de outubro, no plenário da Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor). O parlamentar de aparente pouca memória, trabalha na Perícia Forense do Estado e diz nunca ter visto mortes por essas motivações de ódio.

A triste declaração foi uma resposta a fala do líder da bancada do PDT, Iraguassú Filho, que citou pesquisa do Ibope que apontava a homofobia como a modalidade de preconceito mais comum entre os brasileiros. Ribeiro até reconheceu a existência do preconceito, mas não como sendo esse o motivo dos assassinatos. 

É IMPORTANTE LEMBRAR QUE...

O Ceará foi palco de um dos mais chocantes crimes de preconceito no Brasil, em fevereiro desse ano, Dandara dos Santos foi espancada e morta a tiros. Todo o crime foi filmado e compartilhado nas redes sociais. As imagens chocaram o país. No mesmo mês também em Fortaleza, a transexual Hérika Izidoro foi espancada por 20 homens e jogada de um viaduto, dois meses depois ela morreu no hospital. Em julho, outras duas transexuais foram mortas no estado, Rayane de 35 anos foi morta a tiros em Horizonte, no mesmo dia Larissa foi executada no bairro Vicente Pizon, em Fortaleza, com cinco tiros.

Segundo dados da  Rede Trans Brasil, o estado soma 10 assassinatos por transfobia. Em 2016, o Ceará ocupou o 6° lugar no ranking de assassinatos a LGBT, segundo dados do relatório do Grupo Gay da Bahia.