Header Ads

Juiz não aceita recurso e mantém decisão sobre "cura gay"

Juiz não acatou recurso do Conselho Federal de Psicologia e manteve decisão sobre "cura gay"


Anotem esse nome, juiz Waldemar Cláudio de Carvalho, da 14ª Vara do Distrito Federal, ele foi o autor da liminar que dá brechas para que psicólogos realizem tratamentos de "reversão sexual". Nessa segunda-feira, 02, ele manteve a decisão, após responder negativamente ao recurso do CFP, Conselho Federal de Psicologia, que pedia a suspensão da liminar.

 “Mantenho a decisão agravada por seus próprios fundamentos (…). Em seguida, oficie-se à relatora do agravo de instrumento, dando-lhe ciência da presente deliberação”. afirma trecho do despacho de Carvalho. No texto o juiz afirma que sua decisão procede e que possui fundamento para tal, assim, devem seguir os rituais normais do processo. Caso ele tivesse acatado ao recurso do CFP, o processo seriam provavelmente encerrado.

A desembargadora Maria Cardoso, da 8ª Turma Federal, é a responsável pela análise do recurso, ela ainda aguarda manifestação da CFP. Segundo o advogado Leonardo Loiola, que representa os psicólogos, uma reunião deve acontecer com a desembargadora nos próximos dias para discutir o assunto. 

“Isso significa que ele não se sentiu intimidado, mesmo com toda a pressão popular que recebeu. Além disso, entendemos que o fato de a desembargadora querer nos receber antes de simplesmente derrubar a liminar, significa que o nosso pedido não é tão sem pé nem cabeça, ele tem fundamento”, afirmou o advogado ao site da VEJA.