Motorista é expulso do Uber após episódio de transfobia

Imagem ilustrativa


A carioca Nicole Kelly Cruz, havia acabado de comemorar seus 28 anos com amigos e familiares. Após a celebração, Nicole pediu um Uber, a viagem seria do Arsenal para Copacabana, no Rio de Janeiro. Ao entrar no carro não demorou para o motorista perceber que a passageira era uma mulher trans, logo em seguida ele pediu que ela saísse do carro, sem nenhum motivo ou explicação aparente.

O episódio aconteceu a cerca de 15 dias, com a recusa de Nicole em sair do carro, já que não havia motivo algum, o motorista alegou ser policial e ameaçou tirar uma arma debaixo do banco. Após uma ligação, o irmão e cunhado de Nicole chegaram até o local e logo em seguida a polícia.

Os policiais revistaram o veículo e não encontraram nada, o motorista mentiu ao afirma que era um policial. Liberado pela polícia, o condutor do veículo foi embora. Nicole foi aconselhada pelos PM's a registrar o caso numa delegacia, tendo em vista que Código de Defesa do Consumidor proíbe que prestadores de serviço recusem atendimento a quem quer que seja. No Rio de Janeiro há ainda uma lei Estadual contra discriminação a pessoas LGBT.

O caso chegou até a empresa Uber, que se pronunciou afirmando a política da empresa é de tolerância zero a qualquer forma de discriminação em viagens realizadas por meio da plataforma. O motorista transfóbico foi desligado da empresa.

“Eu me senti humilhada, ofendida, porque eu sou uma pessoa normal como qualquer outra. Eu trabalho, tenho meu dinheiro, corro atrás dos meus sonhos como qualquer outra pessoa. Vou registrar o caso e acionar a Uber na Justiça”, afirmou Nicole em entrevista ao jornal "São Gonçalo". A empresa, além de ter retirado o acesso do motorista à plataforma, entrou em contato com a usuária para oferecer apoio. 

Nicole Kelly Cruz / Foto: Divulgação