Header Ads

Morte de jovem revela insegurança nos arredores do Dragão do Mar

Kildare Martins Rufino, 23 anos, não resistiu aos golpes de faca e faleceu no domingo, 9 de abril.


Na internet e redes sociais a comoção foi grande, timeline repleta de mensagens de pesar, dor e tristeza pela morte do jovem Kildare Martins Rufino, 23 anos, assassinado no último sábado, 8 de abril. O crime aconteceu na Avenida Historiador Raimundo Girão, nas proximidades do Centro Dragão do Mar, coração da noite de Fortaleza.

Nem mesmo o fluxo intenso de pessoas por volta das 23h30 do sábado, as casas noturnas e boates, barracas de lanches, carros ou táxis, nada foi suficiente para livrar o jovem da morte. Kildare reagiu aos dois assaltantes que brandavam "passa o celular"; esfaqueado no estômago ele perdeu a vida. A polícia não estava lá, deve ter aparecido após a execução do crime, faltou a segurança, sobrou o medo e o terror.

Levado ao médico ele não resistiu, morreu no dia seguinte e cerca de 48 horas após o crime ninguém foi preso. 

LUGAR DE "CULTURA", DIVERSÃO E MEDO

O entorno do Dragão do Mar é cercado por no mínimo 5 boates, sem contar os bares, restaurantes e o próprio Centro Cultural, eixo da arte, cultura e boemia da capital cearense, talvez aquele seja o metro ² na capital que mais transborda cores, risos e agora medo.

Não é novidade, crime e violência são rotina num dos pontos turísticos e no cenário noturno mais conhecido de Fortaleza. Se há policiamento, lamento informar, mas não é o suficiente. Lembro da comoção dos empresário na tentativa de retirar os ambulantes do local, isso em fevereiro desse ano. Acredito que seja hora de usar a mesma força para cobrar e garantir a segurança. O medo tira mais clientes que a concorrência.



Preocupa a vista grossa do estado, prefeitura e iniciativa privada que lucra com o borbulhar de pessoas nas noites de sexta e sábado. No sábado o Kildere morreu, mas poderia ser eu, que coincidentemente estive naquele entorno, no mesmo dia e horário, ou talvez algum amigo, ou você.

Que o Kildare descanse em paz, que a justiça seja feita e que os risos, encontro de amigos, e a noite de Fortaleza não morra por conta da violência.