Precisamos conversar sobre relações afetivas na modernidade e o "felizes para sempre"

Numa sociedade onde as relações afetivas são cada fez mais superficiais, vale a pena investir no sonho do "felizes para sempre"? De Zygmunt Bauman, ao artista americano Tom Goss, vamos refletir sobre relacionamento.



"Nada é pra durar", esse pensamento resume, ainda que de forma pobre e simplista, a teoria das relações líquidas do sociólogo Zygmunt Bauman, que discute como nossa sociedade estabelece e quebra relações com um simples click, através do ato de ficar off ou online.

No meio gay não seria diferente, em épocas de grindr, scruff, tinder e hornet, as relações começam no virtual, se estendem num encontro sexual e acabam em seguida, deixando em alguns casos o sentimento de esvaziamento e necessidade de afeto.

Seres humanos, por natureza convivem em sociedade e necessitam estabelecer laços afetivos, mas em tempos de liquides, nossa identidade pessoal restringiu nosso conceito de felicidade a relações e experiências individuais.

O contraditório entre experimentações sociais e necessidades individuais deu origem a seres que são afetivamente perdidos e ao mesmo tempo carentes, para não se perderem na corrida pós-moderna cada vez mais acelerada, eles se vulnerabilizam se tornando incapazes de manter a mesma identidade por muito tempo, o que reforça o estado temporário das relações vividas na pós-modernidade.

Com o avanço de direitos civis das minorias LGBT's, ao mesmo tempo somos encaixados em moldes heteronormativos de relacionamento, onde o casamento e união civil criam a possibilidade social de uma vida a dois entre pessoas do mesmo sexo e o utópico "felizes para sempre" cai de paraquedas no meio gay.

Cabe ao indivíduo permanecer fiel ao status quo ou internamente se moldar dentre as diversas possibilidades e formas de relações possíveis. Atendendo sua necessidade de afeto, é pessoal a decisão de embarcar num sistema de relações líquidas a procura da solidez afetiva ou ser mais um tripulante inerte em uma viagem de emoções e relações rasas e superficiais.


MUSICADO

O artista americano Tom Goss exemplifica essa discussão através do clipe de "More Than Temporary", seu single mais recente. Numa história moderna de amor, o personagem principal do vídeo deve optar por se permitir estabelecer uma relação afetiva duradoura (ainda que oriunda de aplicativos de relacionamento) ou permanecer inerte em suas relações líquidas.

Cheio de sentimentalismo o episódio de "sexo casual" dá origem a uma reflexão bem maior quando o personagem se depara na rua com exemplos de relações duradouras entre LGBT's, personificando assim o "felizes para sempre" dentro da comunidade gay.

Vale a pena assistir e pensar um pouco:


Precisamos conversar sobre relações afetivas na modernidade e o "felizes para sempre" Precisamos conversar sobre relações afetivas na modernidade e o "felizes para sempre" Reviewed by Blog Para Mocinhos on 16:53 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.