LGBT's podem ser mortos após medida de Donald Trump

Donald Trump anunciou uma medida que suspende em pelo menos 120 dias o sistema de admissão de refugiados nos Estados Unidos, a medida afeta LGBT's que fogem de países onde a homossexualidade é crime 


Imaginar que o conservadorismo avançaria a ponto de Donald Trump ser eleito presidente dos Estados Unidos é a típica história de terror que virou realidade, mas além disso, as medidas do novo presidente americano podem causar uma série de mortes de LGBT's ao redor do mundo.

Mitra, 27 anos, deixou o Irã, país onde a homossexualidade é passível de pena morte e fugiu para a Turquia, onde pode conduzir o processo legal para receber asilo nos Estados Unidos. Ameaçada e perseguida por editar uma revista LGBT, a jovem entra no grupo de outras dezenas de iranianos que foram afetados pela medida de "combate ao terrorismo" de Trump.

O anúncio da ordem executiva que proíbe a entrada de pessoas de sete países muçulmanos afeta centenas de LGBT's que fogem de países onde podem ser punidos por conta da sexualidade. O sistema de admissão de refugiados também foi suspenso por pelo menos 120 dias. O líder republicano afirmou que irá priorizar a aceitação de membros de minorias religiosas, como os católicos, mas não citou nada a respeito dos imigrantes oprimidos por conta da sexualidade.

Sobre Mitra, de acordo com o The Guardian ela passaria esse mês por sua última entrevista com a Agência de Refugiados da ONU. "Me ligaram e disseram que foi cancelado", afirma Mitra.