Leão da Montada vai finalmente sair do armário

Leão da Montanha, personagem da Hanna-Barbera, será um dramaturgo gay em releitura para os quadrinhos


Leão da Montanha (originalmente, Snagglepuss) irá oficialmente sair do armário, dono do bordão "Saída pela esquerda!", ele voltará em histórias em quadrinhos publicadas pela  DC Comics nos Estados Unidos. Sempre fugindo dos caçadores, dessa vez ele estará longe das florestas, o personagem da Hanna-Barbera será um dramaturgo gay nos anos 1950.

O responsável pela versão adulta do personagem será o roteirista Mark Russel, criador de outras adaptações de séries da Hanna-Barbera para as HQs, como Os Flintstones, Os Jetsons e Manda-Chuva. Russel explicou em entrevista ao site HiLoBrow que pretende reimaginar o Leão da Montanha como um dramaturgo gótico e gay do sul dos Estados Unidos. “Não precisei fazer muito esforço [para chegar nesse conceito]. Eu o vejo como uma versão trágica de Tennessee Williams; o Dom Pixote seria alguém tipo o William Faulkner, e os dois moram na Nova York dos anos 1950. Marlon Brando, Dorothy Parker e socialites que viviam na Nova York dessa época vão aparecer na história.”



Não por um acaso o Leão da Montanha é considerado um dos personagens dos desenhos animados que mais claramente vivia no armário. “Os desenhos foram feitos numa época em que não se podia reconhecer a existência da homossexualidade, mas é bastante óbvio”, afirma Russel. “É um passo natural, então, apresentar o personagem num contexto em que todo mundo sabe que ele é gay, mas ele ainda tem que viver no armário. E com isso abordar a cena cultural dos anos 1950, especialmente na Broadway, onde todo mundo era gay, ou trabalhava com alguém que era gay, mas ninguém podia falar a respeito – e como é ter que produzir cultura cercado por esse silêncio.”.

A revista Suicide Squad/Banana Splits Annual, que chega às bancas em março, virá com uma prévia de oito páginas da nova série do Leão da Montanha. Na publicação o personagem é intimado para depor perante o Comitê sobre Atividades contra a América, órgão censor da cultura nos anos 1950. A série terá início em outubro.

Sobre o autor

Em suas adaptações dos desenhos animados da Hanna-Barbera para as histórias em quadrinhos, Mark Russel utiliza os personagens clássicos para tecer críticas cheias de ironia ao mundo em que vivemos. Fred Flintstone, Judy Jetson & cia são reimaginados com traços bastante distintos dos que tinham na TV, e são colocados em situações mais adultas. Os Flintstones, por exemplo, têm que lidar com situações que na pré-história são novas, como a monogamia.