Sobre a morte de Fidel Castro e seu passado homofóbico

Fidel Castro, ditador cubano, teria deportado milhares de gays, negros e pobres


O ditador socialista Fidel Castro faleceu ontem (25), aos 90 anos de idade, em Santiago de Cuba, e seu corpo será cremado por vontade de Fidel. O anúncio foi feito pelo irmão do assassino, Raul Castro, na televisão oficial cubana. Fidel liderou o golpe de estado que tirou do poder Fulgêncio Batista no dia 1° de janeiro de 1959, juntamente com seu irmão Raul e o psicopata Che Guevara, instalação a ditadura socialista que levou milhões de cubanos à fome e à miséria.

Juntos, os três mataram pelo menos 8.190 pessoas, sendo 5.775 execuções por fuzilamento, 1.231 assassinatos extrajudiciais, 984 mortes na prisão e 200 pessoas desaparecidas, de acordo com o Cuba Archive, projeto conduzido há dez anos pelo pesquisador Armando Lago, autor de The Black Book of Cuban Communism (O Livro Negro do Comunismo Cubano, sem tradução brasileira). O número de mortos na ditadura cubana é quase três vezes superior à ditadura de Pinochet no Chile (3.000 pessoas) e quase 19 vezes superior à ditadura brasileira (434 mortos).

Fora os assassinatos, a ditadura socialista criada por Fidel levou milhares de negros, gays e pobres para campos de concentração ou a serem deportados. De acordo com o Primeiro Congresso Nacional de Educação e Cultura de Cuba, “os desvios homossexuais representam uma patologia anti-social, não admitindo de forma alguma suas manifestações, nem sua propagação, estabelecendo como medidas  preventivas o afastamento de reconhecidos homossexuais artistas e intelectuais do convívio com a juventude, impedindo gays, lésbicas e travestis de representarem artisticamente Cuba em festivais no exterior.”  Até 1980, segundo informes oficiais, 1700 “homossexuais incorrigíveis” de Cuba foram deportados para os Estados Unidos, embora organizações de direitos humanos calculem que foram mais de 10 mil gays e travestis expulsos de Cuba. A perseguição aos homossexuais foi admitida pelo próprio Fidel em 2010.
Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.