Comercial com beijo gay é denunciado ao Conar: "lavagem cerebral em crianças"



Via: ACAPA

Exibida em horário nobre pela TV Globo, um comercial que mostra dois casais homossexuais se beijando foi denunciado ao Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar).

O Grupo Dignidade, que coordena a campanha, foi notificado a apresentar sua defesa em um prazo de cinco dias.

A propaganda chama-se “Eu odeio berinjelas”. No vídeo, criado pela agência OpusMúltipla especialmente para a ONG, a sogra oferece ao genro, durante um jantar, um prato que contém berinjela.

O jovem começa a imaginar uma série de “crueldades” contra o ingrediente (afogar, esfaquear, pisotear, explodir), mas, ao final da reflexão, só responde: “Não, obrigado”. Na cena seguinte, dois casais gays se cumprimentam com um “selinho” em um restaurante, enquanto o locutor diz: “Com orientação sexual é a mesma coisa: você pode discordar, mas tem que respeitar”.




A reclamação foi remetida ao Conar em 14 de outubro. Segundo a queixa, o comercial “é uma forma de fazer lavagem cerebral em crianças”. A reclamante ainda afirma que o vídeo “transparece que as pessoas são agressivas somente pelo fato de não achar correto ser homossexual”.

Ela diz, também, que os LGBT “pedem respeito, mas esquecem de respeitar outras pessoas” e que o ideal seriam “comerciais que estimulem crianças a se tornarem pessoas de bem”.

Alguém explica para este ser humano que nós LGBT´s crescemos vendo filmes, comerciais e novelas com enredos héteros e nem por isso ficamos hétero por conta disso?!

O diretor executivo do Grupo Dignidade, Toni Reis, afirma que “o comercial não ofende a dignidade de ninguém, apenas pede respeito à orientação sexual, tendo em vista os altos índices de violências e discriminação contra pessoas LGBT no Brasil”.

Uma equipe de 18 advogados já prepara o texto de defesa perante o Conar, que vai, então, avaliar se o comercial deve ou não ser retirado do ar. 
Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.