'É horrível que as crianças aprendam que podem escolher seu gênero', afirma Papa Francisco

Papa Francisco criticou o que ele chama de "colonização ideológica" /  Foto: Alessandro Bianchi/Reuters 


Papa Francisco não tem gostado nadinha desse babado de as crianças estudarem sobre os gêneros e muito menos que elas possam "escolher" a qual deles pertencem. A crítica as escolas que segundo ele ensinam a liberdade de gênero aconteceu durante uma reunião a portas fechadas com bispos poloneses.

"Hoje, as escolas ensinam para as crianças - para as crianças! - que qualquer um pode escolher seu gênero", disse o líder da igreja. Sem dar nomes aos bois ele culpou os livros didáticos fornecidos  por "pessoas e instituições que doam dinheiro" e "países muito influentes" que apoiam o que ele chamou de "colonização ideológica".

Francisco afirmou ainda que conversou com Bento XVI, que renunciou o cargo em 2013: 

"Conversando com o Papa Bento, que está bem e com a mente clara, ele me disse: 'Santidade, isso é a época do pecado contra Deus, O Criador, ele é inteligente! Deus fez o homem e a mulher, Deus fez o mundo deste jeito, deste jeito, deste jeito e nós estamos fazendo o contrário", afirmou.

Apesar do posicionamento mais acolhedor aos gays, lésbicas e transexuais, Francisco não se mostra aberto a compreender e aceitar questões de gênero e sexualidade. É interessante analisar a "colonização ideológica" de um ponto de vista contrário, já que nossa geração veio de uma educação onde aprendemos que uma vez nascido "homem" sempre "homem".

Outra questão deixada de lado pelo líder religioso é o posicionamento da científico da psicologia, que entende por outro prisma o assunto, ou vocês acham que alguém realmente "escolheria" passar por todo o processo de mudança de gênero que inclui tratamento psicológico, cirurgias e ter que peitar o preconceito do mundo?
Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.