Caio Blat comenta sobre cena de sexo gay em "Liberdade, Liberdade"

Caio Blat foi um dos convidados do programa "Encontro" dessa segunda, o ator falou sobre a cena de sexo gay em "Liberdade, Liberdade"


Após protagonizar a belíssima cena de sexo gay em "Liberdade, Liberdade" ~ clica aqui para assistir ~ ao lado do ator Ricardo Pereira, Caio Blat comentou hoje, 01, no programa "Encontro" sobre a importância da cena e a "maturidade" com que o público recebeu o episódio.

 "Toda a sociedade voltou o olhar para o tema, que conseguiu se tratado com delicadeza, elegância, com sabedoria. Muita gente se sentiu reconhecida, muita gente se sentiu representada. Acho que é um momento de maturidade da televisão brasileira".

Blat comentou também sobre o fato da cena se passar numa novela de época, o que traz um contexto diferente e mais profundo sobre o tema:  "A homossexualidade faz parte da humanidade desde que ela existe. O homem sempre teve esse lado, isso é natural do ser humano, existe e sempre existirá. E acho legal que isso aconteça em uma novela histórica, porque mostra como o preconceito é pré-histórico, é uma construção histórica".

Sobre como a cena influenciou no combate a homofobia e intolerância, o ator afirmou: "Isso muda, aos poucos as pessoas vão tratando com mais naturalidade, vão aceitando melhor a liberdade dos outros, vão sendo menos intolerantes, menos preconceituosas. Acho que foi uma conquista a gente conseguir falar sobre isso abertamente", afirmou.

Para finalizar Caio Blat mandou um recado para os preconceituosos e aqueles que insistem em achar que sexualidade é fator de segregação: "A pessoa tem a vida dela e ela se incomoda com a vida sexual de outra pessoa. Isso não diz alguma coisa a respeito dela? Se a minha vida está bem, se eu estou em paz, a vida do outro não importa, eu quero que o outro seja feliz", finalizou.
Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.