Atleta close certo: 2 bons motivos para amar o ginasta americano Danell Leyva

Danell Leyva é de origem cubana, mas foi naturalizado americano. O atleta faz parte da equipe dos Estados Unidos de ginástica


Olimpíadas batendo na porta, todas de olhos nas competições, nos machos e hoje vamos falar de um moço que nessa edição dos jogos olímpicos merece levar pra casa a medalha de ouro na categoria "close certo".O ginasta americano Danell Leyva de 24 anos é mais que um atleta talentoso, ele tem outras atribuições que vocês vão conhecer hoje:


1.  É SAFADINHO

Nem sei se isso é bem uma "atribuição", mas eu sei que vocês adoram, então tá valendo. Além de talentoso na ginástica, o moço adora exibir seu corpo e pasmem, outras partes também. Leyva teve nudes vazadas na web, mas acreditem, ele não está nem aí pra isso.
Na última quarta-feira, 17, durante uma apresentação de gala, o moço fez um striptease tirando parte do uniforme no meio da apresentação, fazendo dancinha e tudo mais. O público é claro: A.D.O.R.O.U!



2. É AMIGO DAS GAYS!

Apesar de todo esse exibicionismo, Leyva não é gay ~ como muitos pensam. O ginasta é heterossexual, porém super engajado na luta pelos direitos dos LGBT's. Cerca de dois meses atrás ele publicou um vídeo em seu Instagram onde comentou sobre o episódio homofóbico em Orlando:

"Eu não sou parte da comunidade LGBT, mas acho importante que aqueles que não são façam também o seu melhor para mostrar toda a bondade e compreensão de que a população LGBT necessita" disse Leyva no vídeo. 
"O amor dentro da comunidade LGBT é muito mais forte do que o ódio contra ele, e é nossa responsabilidade como não-LGBT ajudar essas pessoas e criar um mundo onde essas não precisem criar os seus próprios espaços seguros" finalizou.




Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.