Cuspindo na cara dos homofóbicos e hipócritas, ouça "Fiscal" do MC Queer

O proejto "MC Queer" une o funk a militância gay com letras agressivas /  Foto: Paula Castro


Militância na música pode?
Mas é claro que pode bee, inclusive já existe e já falamos sobre alguns desses nomes por aqui.
O rapper Rico Dalasan, é um exemplo disso, assumidamente gay, o cara usa das rimas para militar e quebrar preconceitos. Outro nome delicioso dessa leva é Liniker, revelação da música brasileira, o moço brinca e samba com os conceitos de gênero em cima do palco.

Agora o babado está caindo pro lado do funk, e nada de letra sutil ou indireta, o single do paulistano "MC Quuer" é tiro, porrada e bomba na cara de muito homofóbico e hipócrita. Os versos do hit que teve seu clipe lançado hoje, 23, usa e abusa do estilo proibidão e mais quem um funk, a música assume um discurso de militância forte, direta e agressiva. Olha só um trechinho:

"Me chama de viado, invertido e baitola
Bichinha, boiolinha, bambi chupa-rola
Quero muita atenção no que eu vou falar pra tu
Tem que ser macho pra caralho
Pra poder dar o próprio cu"

Felipe Cagnacci, ou MC Queer, convidou alguns personagens conhecidos do universo LGBT para protagonizar o clipe do single "Fiscal". O colunista Fefito, a web celebridade Leona Vingativa, a funkeira Lia Clark, e Nana Rude são alguns dos nomes presentes no vídeo.

O clipe de "Fiscal" reúne alguns famosos da cena queer / Foto: Paula Castro


A música já está na nossa playlist do Spotify e o dinheiro arrecadado com as vendas do single, serão revertidos para a criação de um lar de apoio a homossexuais. Já aviso que a música é pesadinha e pessoalmente já aluguei um carro de som pra deixar o babado tocando por meia-hora na porta de cada igreja evangélica de Fortaleza.  #AtrevidaSim!

Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.