Droga usada no controle da AIDS apresenta sinais de resistência

O medicamento Tenofovir usando no controle à AIDS tem apresentado resistência em vários lugares do mundo

Uma notícia nada bacana sobre o tratamento e controle da AIDS.
Segundo matéria publicada no O Globo, um estudo realizado com 1.926 soropositivos em vários países do redor do mundo constatou que o tenofovir, uma das drogas mais usadas para o controle da doença tem apresentado resistência em vários locais do planeta.

Segundo o estudo 60% dos pacientes da África Subsaariana (quase todo o continente com exceção da parte Norte) são resistentes à droga, o mesmo aconteceu com 20% dos europeus. “O tenofovir é parte essencial do nosso ‘armamento’ para controlar o HIV, então é extremamente preocupante ver que existe um nível tão alto de resistência”, afirmou o principal autor da pesquisa, Ravi Gupta.

O tenofovir faz parte de algumas combinações usadas no controle da doença, uma delas é a "3 em 1" onde o comprimido é somado as capsulas de lamivudina e efavirenz, além do truvada que é utilizado principalmente no prevenção do contágio, essa última já muito usada nos E.U.A mas ainda não aprovada no Brasil.

Sobre o tenofovir Gupta afirmou ainda: "É uma droga potente, usada tanto no tratamento quanto na prevenção, entre os grupos vulneráveis (profissionais do sexo, por exemplo). É urgente que façamos mais para combater o problema de alta resistência."

Apesar dos dados conclusivos ainda não há motivo para entramos em pânicos, pelo menos não aqui no Brasil. Ao contrario de países africanos onde o governo só distribuiu os medicamentos para pacientes que já apresentam sintomas da AIDS. Segundo Gupta iniciar o tratamento em pessoas que já estão com o sistema imunológico fraco aumenta em 50% as chances de resistência, o que não acontece por aqui no Brasil, onde o tratamento é iniciado logo após o diagnostico, independente da manifestação da doença. 
Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.