5 passos para redescobrir a espiritualidade quando se é LGBT



 Traduzido do artigo de Nick Literski para o site Huffington Post 
Via Lado Bi

Apesar dos avanços recentes nos direitos civis, a religião continua sendo um campo minado para LGBTs. Uma pesquisa do instituto Pew realizada em 2013 indicou que 48% dos adultos LGBT não têm qualquer afiliação religiosa, contra 20% da população em geral. Não seguir uma instituição religiosa, no entanto, não significa viver sem espiritualidade. Em meu trabalho como guia espiritual, já encontrei muitos adultos LGBT que desejavam reconectar-se com a espiritualidade, mas estavam incertos sobre como fazê-lo.

Eu compreendo essa sensação, porque já passei por isso. Eu passei 26 anos como membro de uma comunidade religiosa fundamentalista, exigente e anti-LGBT. Quando eu finalmente tive a coragem de me declarar gay aos 39 anos, eu abandonei essa igreja e comecei a reconstruir minha vida. Eu tinha sentimentos fortes sobre como minha tradição religiosa havia impactado minha vida. Eu não tinha mais certeza sobre o que pensar sobre Deus. Eu era ateu? Agnóstico? Algo diferente? Experimentei explorar outras tradições religiosas, mas não consegui me conectar com elas. Levei quatro anos até começar a prestar atenção em minha espiritualidade com seriedade novamente.

Conforme pesquisei, entrevistei e trabalhei diretamente com adultos LGBT, aprendi que alguns passos concoretos podem ajudar-nos a nos recuperar dos aspectos negativos de nossos passados religiosos e descobrir uma espiritualidade afirmativa e positiva.
  1. Permita-se um período de luto. Não importa se você foi expulso ou abandonou sua fé por conta própria, você passou por uma perda ao separar-se da tradição religiosa de sua formação. Você pode ter perdido a família, amigos, e uma comunidade da qual você já sentiu fazer parte. Você pode ter perdido uma fé que seguiu por muitos anos de sua vida. Apesar de uma parte de você provavelmente estar sentindo alívio, você pode experimentar tristeza e perda. Dê-se permissão para que esses sentimentos sigam, e mais cedo ou mais tarde eles darão lugar para a recuperação.
  2. Mude seu foco da autoridade externa para a autoridade interna. Muitas comunidades religiosas conservadoras e anti-LGBT treinam seus seguidores a contar com fontes externas de verdade, sejam elas textos sagrados, a tradição, ou líderes autoritários. Para mover-se no sentido de criar sua própria espiritualidade afirmadora, faça-se algumas perguntas sobre crenças ou ideias diferentes: “Como isso faz eu me sentir por dentro?”; “Eu realmente concordo com isso, ou apenas estou aceitando o que me disseram?”. Ao invés de perguntar “O que é verdade?”, pergunte-se “O que é verdade para mim?”. Criar o hábito de fazer essas perguntas o ajudará a confiar em sua própria autoridade interna, um passo importante em descobrir sua própria espiritualidade positiva.
  3. Aprenda sobre outras maneiras de se conectar com o Divino. Dedique tempo para aprender sobre outras tradições espirituais. Visite um templo budista. Investigue o paganismo ou o espiritismo. Descubra que tradições seus ancestrais praticavam, e pesquise-as. Ao fazer isso, você poderá consultar aquela autoridade interna que você começou a construir para reconhecer quais tradições – ou partes de tradições – parecem mais significativas para você.
  4. Redescubra seu próprio propósito. Muitos indivíduos LGBT com quem trabalhei sentiam que suas religiões originais lhes dava propósito na vida, ou mesmo um chamado de vida específico. Examine como partes desse propósito podem ainda aplicar-se para você de uma maneira que pareça autêntica. Esteja aberto para descobrir outras oportunidades e experiências que possam revelar seus próprios dons e talentos espirituais. Busque maneiras de deixar sua marca no mundo que estejam repletas de significado para você.
  5. Retorne a sua comunidade com dádivas. Já que você descobriu que valores e crenças ressoam pessoalmente com você, e começou a explorar seu próprio propósito, pergunte-se como você pode compartilhar essas dádivas com sua comunidade – tanto nossa comunidade LGBT como a comunidade humana em geral. Como você poderia fazer diferença? Onde você pode contribuir para fazer do mundo um lugar melhor?
Se você sente a necessidade de apoio para realizar esses passos, busque outros que já passaram pelo mesmo. Além disso, guias espirituais treinados podem ajudá-lo a explorar essas questões a seu próprio modo, em seu próprio ritmo, numa atmosfera de segurança e acolhimento.

Como já acompanhei outras pessoas além de mim mesmo que seguiram esses passos, já vi pessoas LGBT passarem de situações de depressão e carência para vidas de plenitude e serviço. Cada uma das pessoas com que já trabalhei criou sua espiritualidade pessoal que é afirmativa e positiva para si. Cada um tem sua própria maneira legítima e significativa de lidar com o Divino – e isso é algo lindo de se ver!
Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.