“Fantástico” simula cena de homofobia em parquinho e público sai em defesa de casal gay



Via: Pheeno

Um casal gay leva o filho pequeno para brincar na praça. Um menino que eles acabaram de adotar. Chega uma amiga, que ao ver a cena trata o casal com o maior preconceito. A situação foi encenada pelo “Fantástico”, no último domingo (05/07), para discutir um tema bem real, a discriminação contra as novas formas de família. Qual seria a sua atitude diante de um flagrante de desrespeito, de homofobia? Esse foi a questão abordada no quadro “Vai Fazer o Quê?”.

Em meio a um parque público, a amiga do casal começa a soltar críticas contra os dois por terem adotado a criança. Apesar de toda a cena se tratar de ficção, a reação das pessoas ao redor são bem reais. “Eu acho que ele vai sofrer. Filho precisa de pai e mãe. Fico preocupada, depois como é que vai crescer? Eu acho que ele poderia ter tido a chance de ser adotado por um casal hétero”, diz a atriz. Incomodadas, pessoas acabando rebatendo os comentários preconceituosos. “Nossa eu é que estou ficando chateada. Não existe mais isso, é a criação deles dois que vai dizer o que a criança vai ser amanhã”, declarou Maria. E ela não foi a única!

O analista de telefonia Luís Claudio Araújo também saiu em defesa do casal. “Ele vai ser um moleque esperto e ainda vai sacanear os outros (na escola, que tirarem sarro). ‘Eu tenho dois (pais), tu só tem um'”, disse o rapaz. “Eu acho que esse menino vai ser muito feliz e muito amado, é um gesto lindo que vocês fazem, que até me comovem”, disse, emocionada, uma moça que presenciou todo o momento. No final do quadro, o jornalista Ernesto Paglia revela que, durante os dois dias de gravações, ninguém apareceu para engrossar o preconceito.

Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.