Ex-entregador de peixe vira modelo e ganha destaque no exterior



Via: EGO

Pouco mais de um ano atrás, Lucas Cantão entregava peixe em Belo Horizonte, Minas Gerais, e estava acostumado a ouvir cantadas do tipo "ô, peixão!" (e dava para evitar?!). Até que, durante um passeio no shopping, em maio do ano passado, foi descoberto por um olheiro de uma agência de modelos. Em um mês ele já estava em Paris, desfilando para a Givenchy. Logo virou queridinho da grife, comandada por Ricardo Tisci, que o escalou para o próximo desfile da marca, em 24 de junho, na capital francesa, e para a nova campanha.

Os três anos em que dirigiu uma van e entregava peixes definitivamente ficaram no passado: "Não sinto falta porque era uma rotina, né? O bom de ser modelo é que cada hora estou num lugar do mundo, conhecendo pessoas novas. Adoro essas aventuras". Cantão, aliás, conta que só agora conseguiu superar o trauma do cheiro de peixe e passou incluir o alimento no dia a dia. "Antes não aguentava nem ouvir falar a palavra 'peixe'", brinca ele, que é supervaidoso e preocupado em manter os "gominhos" que conquistou no abdômen - levantando muitas caixas de peixe e também fazendo natação e musculação.



"Sempre tive o corpo esculpido, até porque fazia muito esforço físico nas entregas e treinava de segunda a sábado, além de cuidar da dieta. Sou muito vaidoso. Demoro a me arrumar, passo creme no cabelo... Quando vejo, passou uma hora e ainda estou me arrumando", conta. "Já fui metrossexual, mas hoje me preocupo mais com a dieta mesmo. Evito carboidrato à noite e não como doce nem tomo refrigerante", comenta ele, que tem estudado inglês e italiano por conta da carreira internacional.

Apesar de estar solteiro, o moreno de 1,92m admite que nunca teve problemas para arrumar namorada. "A beleza facilita", diz. "Mas está difícil namorar agora, porque muitas meninas não aceitam e não entendem a profissão de modelo, aí elas não têm confiança", lamenta.


Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.