Era uma vez Ziraldo e seu discurso cheio de homofobia



Juro que as vezes tento ver pessoas que são contra os direitos iguais para todos os seres humanos apenas como alguém sem conhecimento e não como um homofóbico, racista ou transfóbico. Essa é uma visão menos estigmatizada, que julga não o ódio, mas a razão que deu origem a ele. Mas há certos casos que não tem como ser tão "positivista"

O grande cartunista Ziraldo, que um dia escreveu um livro sobre uma cor diferente que não se encontrava no arco-íris e que sofria com isso, parece que esqueceu as lições que ele mesmo ensinou. Enquanto no livro "Flicts" a cor "diferente" acaba a história pregando um discurso de igualdade e inclusão, Ziraldo fez o contrário durante entrevista para o jornal "Hoje em Dia".

“O problema da homossexualidade é que ela está hiperdimensionada. A TV Globo acha que está fazendo um grande serviço ao ‘modus vivendi’, ao dar chance aos homossexuais de assumirem a sexualidade deles”, afirmou o cartunista criticando a emissora carioca e os recentes personagens gays em suas novelas.

Em seus 82 anos Ziraldo não poupou ataques ao casal de lésbicas da novela "Babilônia", vividas por Nathalia Timberg e Fernanda Montenegro. "A Fernanda Montenegro não tem direito de fazer apologia do afeto homossexual. Grandes fãs dela estão estarrecidos com isso. E mesmo que ela estivesse pensando em ajudar as mães dos homossexuais... Mas qual é a porcentagem de mães de homossexuais?", avalia.

Imaginar esse tipo de discurso vindo do Ziraldo além de assustador é entristecedor. Prefiro pensar que seja apenas uma surto momentâneo, ou alguma loucura ou brincadeira de mal gosto típica de um bom e velho menino maluquinho.
Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.