Uma carta aos amigos gays, brancos e de classe média



Querido amigo gay branco de classe média,

Sei que a sua luta por respeito ainda não está completa, mas ultimamente tenho notado que os pequenos avanços conquistados tem feito você se esquecer de outros problemas que ainda precisam ser enfrentados, como a transfobia, o machismo, o racismo e a marginalização de pessoas pobres. Talvez você esteja sendo colocado em uma lógica de mercado, na qual as boates, músicas pop, sites de notícias, blogs de humor e páginas de fofoca, tem feito você reproduzir alguns valores meio chatos. Desta forma esta carta tem o intuito de fazer alguns pedidos, para que você repense algumas ideias suas.

1- Pare imediatamente de dizer "ah! não sou racista, só acho que pessoas negras não são bonitas, tenho culpa de não me sentir atraído por negros?" Você está sendo racista sim! Os padrões de beleza norte americanos e eurocentristas são originados de lógicas extremamente racistas e preconceituosas. Por muito tempo a mídia e as revistas só mostravam pessoas brancas, e agora, justamente quando os negros começaram a conseguir mais representatividade você vem com uma frase desta? Faça-me o favor né!

2- Pare de dizer ao seu coleguinha bi que ele está passando por uma fase e que logo logo vai se assumir gay. Só porque você é gay não quer dizer que todo mundo seja também, a tentativa de uniformizar pessoas somente piora a nossa luta que é por DIVERSIDADE. Se flexibilize pra entender que existem sexualidades não-monosexistas, e abra sua mente para essas novas opções.

3- Pare de dizer que "não gosta de afeminados", e por favor pare de chamar seu coleguinha de "passiva, vadia, biscate, bicha, louca, descarada, etc." como forma de desmerecer o adjetivo feminino. As mulheres são incríveis, e as feministas (inclusive héteros) têm ajudado muito na luta LGBT, não queremos perdê-las como parceiras de movimento. Experimente usar elogios femininos para seus amigos, como "ahazadora, maravilhosa, incrível, fantástica, etc.". As mulheres já sofrem muito com o machismo de homens hetero, parem de ser machistas também. Parem de ter medo da figura feminina, se você conhecer caras afeminados, não considere isso como algo ruim, mas sim como algo revolucionário.

4- Pare de dizer que "eca! tenho nojo de vagina". As lésbicas não ficam constantemente dizendo que tem nojo de pênis, essa necessidade de rebaixar a genitália feminina é muito machista, e ficar repetindo isso o tempo todo vai começar a oprimir as mulheres. Ninguém tem nojo de genitália nenhuma ok? Somos todas e todos lindos e maravilhosos.

5- Nunca mais diga que "ser gay tudo bem, mas querer ser mulher já é demais" isso é transfobia amigo! Existem pessoas trans que foram designadas como gênero masculino mas se sentem mulheres por dentro e a libertação dessas pessoas por meio dos seus corpos se modificando ao feminino é algo revolucionário e libertador, temos que apoiar isto! As trans permaneceram no ativismo LGBT mesmo quando ele respondia somente pelo nome de "ativismo gay", nada mais justo e democrático que ajudarmos elas a levantar as suas pautas e ganhar voz. (usei as trans, mas os trans também devem ser apoiados)

6- Pare de dizer que "A Madonna está velha, a Demi Lovato está gorda, a Taylor Swift é uma rodada, etc." As mulheres vivem sendo pressionadas pra serem perfeitas, e quando você fica impondo padrões de beleza está sendo machista e mega capitalista. A Madonna está feliz, a Demi está no peso que ela deveria estar, e a Taylor Swift não deve ser julgada independente do número de caras que ela namorar ok?


7- Não repita mais que "não vou na balada tal porque só tem gente com cara de pobre" Não existe e NUNCA existiu uma "cara de pobre", não existem "coisas de pobre, hábitos de pobre, e etc.", nós não fomos feitos unicamente para consumir, muito menos para sermos submetidos à sistemas de classe. Ninguém é melhor que ninguém pelo dinheiro que possui, e a nossa militância deve ser primeiramente por liberdade e igualdade.

Por fim, a todos os membros do grupo LGBT, vamos sempre pensar no próximo, defender o direito de TODOS e a liberdade de DIVERSIDADE.

* Recebemos esse texto através de um leitor via whatsapp
Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.