Segundo estilista Armani, homens gays deveriam se vestir como homens



Viva a essa coisa linda chamada liberdade de expressão, mas claro, as vezes é preciso estar com o ouvidos preparados para ouvir muita merda, principalmente de gente que vocês jamais iria imaginar falando coisas do tipo.

Vejamos o caso do estilista Giorgio Armani, ícone da moda e que nos auge dos seus 80 anos em  recente entrevista para a revista "The Sunday Times" acabou falando coisinhas estranhas de se ouvir. O estilista declarou que “Um homem gay é um homem e precisa se vestir de forma masculina. Deve ser homem”, contou ele, mas calma que vem mais coisa por aí: “Quando a homossexualidade é exibida ao extremo se torna algo que não combina comigo” afirmou.

Não sei como vocês entenderam, mas em tempos de politicamente correto onde bandeiras como "sou contra homofobia" ou "sou/curto afeminados" o discurso do tio não caiu nada bem. Há quem diga que na verdade Armani criticou a falta de elegância dos homens atuais na hora de se vestir, outros acharam o discurso dele bem preconceituoso. 

Pelo visto a galera da moda anda com o veneno escorrendo pela boca, recentemente Domenico da grifa também italiana Dolce&Gabbana deu uma declaração polêmica durante entrevista para a revista "Panorarama", o estilista disse ser contra contra famílias constituídas por gays:

"Nós somos contra adoção por casais gays. A única família é a tradicional (…) Você nasce e tem um pai e uma mãe. Ao menos deveria ser assim, por isso não me convencem as crianças saídas da química, crianças sintéticas, úteros de aluguel e sêmen escolhido em um catálogo." afirmou Domenico.

Só lembrando que os dois personagens desse post, tanto Armani quando Domenico Dolce não são evangélicos, militares e nem sua tiazinha de cabeça fechada, na verdade são dois grandes nomes da moda e claro, tão gays quanto eu e você.
Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.