Elenco de "Queer as Folk" deve ser reunir em comemoração aos 10 anos da série


Me desculpem pelo o que eu vou dizer agora, mas um dos meus termômetros de novas amizades é saber se a gay já assistiu e gosta de "Queer as Folk", logo a série se torna algo essencial na vida de qualquer moço. Que tipo de gay nunca assistiu isso gente?

E para quem é fã assim como eu, lá vai uma notícia para fazer você babar. O elenco da série gay mais bombástica da história da TV mundial e os criadores dela, irão se reunir novamente para comemorar os 10 anos do fim da série. Os atores e atrizes irão se reunir em uma painel de discussão do 4º ATX Television Festival, em junho deste ano, nos Estados Unidos.

Para quem não lembra "Queer as Folk" tinha como enredo a vida de quatro amigos gays e mais um casal lésbico. Entre dramas, traições, temas como homofobia, HIV, prostituição, drogas, culto ao corpo e mais uma monte de coisas eram tratadas na série, tudo com muita maestria e da forma mais gay que se possa imaginar. 

Nosso amor pela série é tão grande que até separamos uma amostra de como alguns dos principais atores estão atualmente, cerca de uma década depois do fim da série, e comentamos sobre alguns dos principais momentos da série. Para quem nunca assistiu já aviso que tá cheio de spoiler.
Se segura porque o babado é forte.

Robert Grant, o Ben Bruckner: na trama ele era um professor universitário e soro positivo, que se apaixonava por Michael. Todo o drama da relação entre um casal soro-divergente (quando um é HIV positivo e o outro não) foi muito bem retratada através desse personagem. Só pra constar, ele continha lindo né?


Hal Sparks, o Michael Novotny que era casado com o Ben (o personagem acima). Michael tinha uma amizade profunda com Brian, o personagem mais escroto da série. Além de muito fofo e super cabeça esse personagem era talvez um dos mais "ajustados" da série. A gente também amava ele.


Thea Gill, a Lindsay Peterson: uma das lésbicas da trama. Lembro que na quarta-temporada ele acaba transando com um pintor isso colocava em cheque a sexualidade da trama, inclusive a personagem até se separava da companheira, a Melanie, isso tudo logo depois da chegada do segundo filho do casal. Achamos sinceramente que ela dorme numa banheira de formol, por motivos de: continua linda e jovem.


Michelle Cluine, a Melanie Marcus, uma advogada super focada no trabalho e casada com Lindsay. Numa temporada uma amiga de faculdade da moça chega de surpresa na vida do casal e acaba acendendo uma paixão antiga entre elas. No final das contas o casamento das moças que estava em crise acaba tendo um ânimo quando as duas resolvem levar a "amiguinha" para a cama e experimentarem uma ménage. 


Peter Paige, o Emmett Honeycutt: o gay mais afetado e mais divertido da série. Eram delas as falas mais engraçadas. Mas nem ele escapou dos grande dramas da série, quando por exemplo o moço de apaixonou por um jogador de futebol americano, detalhe, o carinha era hétero e eles tinham que manter a relação as escondidas. Quem nunca né?


Scott Lowell, o Ted Schmidt: o contador da turma, ele até chegou a ter um relacionamento com Emmett mas tudo acabou em pouco tempo. Ted chegou a se envolver com drogas na trama, inclusive num episódio ele quase tem uma overdose, e sob o forte efeito de drogas ele é abusado por um grupo de gays que filmam todo o sexo, sem proteção que praticaram com ele, sem seu consentimento. Esse daí passou por uma barra pesada na série.


Randy Harrison, o Justin Taylor: nosso eterno "sunshine", o mais jovem da turma e sem dúvida um dos mais corajosos. Justin saiu de casa após assumir que era gay e foi na rua que ele conheceu Brian. Os dois tiveram a relação mais linda e ao mesmo tempo mais louca que a TV pode imaginar. Brian também passou por um drama foda, quando dançou com o namorado no baile da escola e acabou sendo agredido por um grupo de alunos homofóbicos. Depois do episódio ele acabou entrando em coma e até perdeu por um tempo os movimentos de uma das mãos. 


Sharon Gless, a Debbie Novotny: a mãe da turma, mesmo sendo mãe de sangue apenas do Michael. Debbie era o tipo de mãe que todo gay adoraria ter, super mente aberta era militante da causa gay e além do filho homo também tinha uma irmão que era gay e soro positivo. Sobre a atriz, só podemos dizer que o tempo fez muito bem a ela, está linda.


Gale Harold, o Brian Kinney: o personagem mais foda da série, do tipo "ou você ama, ou odeia". Brian era um publicitário bem de vida, super bem sucedido e sexualmente super aberto. Sua relação com Justin era linda mas ao mesmo tempo confusa para alguns, justamente por não se encaixar nos padrões heterossexuais de relacionamento, aliás, se tinha uma coisa que Brian não suportava, eram as normas e padrões héteros.


Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.