Documento do Vaticano aponta conciliação da Igreja com os gays


Pela primeira vez, o Vaticano sinaliza que a Igreja pretende “garantir um espaço de fraternidade em sua comunidade” aos gays e rever o veto à comunhão existente hoje para os divorciados. Em uma mudança clara, segundo teólogos, de tom, onde a condenação passa a dar lugar à conciliação e à acolhida, o texto diz que os homossexuais têm “dons e qualidades a oferecer” e que os católicos que se separaram não podem ser discriminados, mas convidados a participar da Eucaristia.

Ainda preliminar, o documento divulgado na segunda resume os debates ocorridos ao longo do Sínodo da Família, encontro iniciado há uma semana com a participação de 200 bispos, e atende ao pedido feito pelo papa Francisco de discutir abertamente assuntos controversos para a Igreja. Ao mesmo em que acena com a mudança, o texto assinado pelo cardeal húngaro Péter Erdö, relator do Sínodo, reafirma a oposição ao casamento gay e ao uso de métodos contraceptivos, conforme definido pela encíclica Humanae Vitae.

Os temas polêmicos tratados durante o encontro deverão ser levados às comunidades com uma série de questionamentos. Em relação aos homossexuais, a pergunta principal é como a Igreja deve aceitar o desafio de encontrar um espaço fraternal para eles sem abdicar da doutrina católica sobre família e matrimônio. Se a conclusão for positiva, o acolhimento deve ser estendido às crianças que vivem com casais do mesmo sexo. Mas Erdö alerta que em primeiro lugar deve estar sempre as necessidades e os direitos das crianças.

Sobre a participação de casais gays na comunidade católica, o texto do cardeal Erdö – especialista em lei canônica – afirma que, “sem negar o problema moral ligado à união homossexual”, é preciso tomar consciência de que há casos em que o sustento mútuo (desenvolvido dentro do relacionamento) até o sacrifício se constitui “um apoio valioso para a vida dos parceiros”. Para o padre José Oscar Beozzo, que também é historiador, a publicação indica que a Igreja pode assumir uma postura mais pastoral. “Há uma infinidade de situações em que se deve optar pela misericórdia, pelo acolhimento e pelo cuidado com as pessoas. É o que o papa tem nos ensinado. Temos de estar abertos a compreender o que está acontecendo e não simplesmente condenar”, afirma. 

“O que foi divulgado é quase um rascunho, mas revela avanços. A Igreja está propondo um formato novo, de acolhimento sem preconceito, tanto para o gay como para o divorciado. Nesse caso, a mudança deve ser grande. Há milhares de católicos divorciados aguardando por essa oportunidade. Afinal, não é possível fazer da comunhão um sacramento de desunião”, diz o teólogo Fernando Altemeyer.

Texto: ESTADÃO

****************************

Será que os gays e cristãos realmente tem algo para comemorar com essa notícia? Pessoalmente aprendi que Deus me ama sendo eu gay, assim mesmo, independente da opinião do Vaticano, do Papa, do Pastor, da minha mãe ou do meu pai ~ Deus me ama e acabou, eu sei e sinto isso.

Apesar do passo positivo sobre a igreja com os gays e a eucaristia, muitos outros temas continuam debaixo do tapete, como os casos de pedofilia, ou simplesmente permanecem com a resposta negativa do clero, como é o caso do casamento gay. Esperar a aceitação de uma religião ou de outra qualquer é como ficar preso no tempo condicionando sua vida a isso. Então para mim essa resposta "positiva" do Vaticano não me agrega em nada, até porque, levando em conta o número de fiéis que eles vem perdendo, ser mais "receptivo" é quase uma questão de sobrevivência.

MINHA REAÇÃO DEPOIS DESSA NOTÍCIA ~



Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.