Sobre o HIV: tempos verdadeiramente difícies



Engraçado como nos últimos meses tenho sido bombardeado com notícias relacionadas ao HIV e a AIDS, tudo isso numa sequência de pouco tempo, e como tenho pesquisado sobre o assunto e como a mídia trata isso. 

Um belo exemplo é o filme da HBO "The Normal Heart" que conta o começo da epidemia nos E.U.A e que de tão forte que é me arrancou lágrimas. Outro caso é a web série brasileira "Posítivos" que narra a história de jovens contaminados, seus dramas, relações amorosas e o convívio com a doença, tudo isso de uma forma tão linda e verdadeira que a série chega a ser viciante [fica a dica para quem não conhece].

Mas como eu disse no começo no título do post, esses são tempos verdadeiramente difíceis, e isso se deve ao fato de duas notícias sobre o tema. A primeira é o caso de uma menina contaminada pelo vírus durante o parto, chamado de "bebê do Mississippi" ela foi tratada por 18 meses com antivirais fortes e teve um ótimo resultado, sendo considerada o  primeiro caso documentado de “cura funcional” de uma criança infectada pelo HIV [quando a quantidade do vírus é mínima e indetectável no sangue].

Porém ontem dia 10, depois de alguns anos sem o uso de remédios exames detectaram que vírus havia voltado ao corpo da garota, hoje com 4 anos. Uma tristeza para a medicina mundial, e que destruiu a esperança de muitos médicos e mulheres positivas que sonham em ter um filho sem a doença.



O segundo caso foi uma recomendação da Organização Mundial de Saúde para que homens gays, não contaminados tomem medicamentos antirretrovirais além de usar preservativos para evitar contaminação pelo HIV. Essa foi a primeira vez que a OMS fez uma recomendação desse tipo.

A ação foi tomada tendo como base o alto índice de homens que fazem sexo com outros homens contaminados nos último anos pelo HIV. Os remédios seriam duas pílulas em uma única cápsula e que devem ser tomadas uma única vez todos os dias.

Pode não parecer negativo, mas imagine que até pouco tempo só a camisinha era o suficiente, agora o aconselhável é a medicação preventiva mesmo para quem não tem o vírus. Seja como for o ideal é sempre se prevenir, apesar de todos os avanços da medicina sobre o HIV ainda há varias perguntas, dúvidas e questionamentos.
Que a humanidade encontre a cura para mais essa mal, emfim, é isso que mais desejo.
Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.