Qual o tamanho da sua... proteção?


Não existe coisa mais linda do que quando você descobre que além de lindos, seu leitores são fofos, inteligentes e cheios de opinião [que agregam valor ao camarote].

Igual ao Marcio Rolim que além de redator publicitário, revisor de textos e mais um monte de coisa, também já teve textos publicados em diversas sites [como no feitoparahomens.com] e que claro, Betty Faria, Marcelo Faria, Pérola Faria e os fortes entenderão.

Marcio, que é leitor do blog e nosso fã, mandou esse texto bacana pra gente e que eu faço questão de publicar. Então segura na nossa mão e vem descendo:

************************

Viva! A indústria anunciou uma capa camisinha capaz de eliminar os vírus do HPV [passivos sabem onde ele se manifesta, né?], da hepatite B e até o do HIV. Mas eis a pergunta: é preciso isso pra que passemos usar camisinha nas transas? Não. Com ou sem espermicida, a camisinha é item obrigatório e isso é mais do 
mesmo.


A camisinha é algo que deve ser confortável, divertido e não pode tirar seu tesão. Sim, muitos caras perdem o tesão por colocar a camisinha e acabam por fazer sexo desprotegidos. O que pode ser uma furada... [que trocadilho infame]. Existe, no mercado, uma infinidade de preservativos, de diferentes marcas, cores, texturas, tamanhos, sabores e, claro, formatos [ou você acha que toda árvore nasce igual?].
Você precisa descobrir a boa pra você [ou vocês] e se pegar com ela pra sempre. Dá uma olhada nas dicas:

1. Faça testes:
Sem medo de ser feliz, compre diferentes marcas, tamanhos, aromas, texturas e use todas. Vá eliminando as que não lhe foram confortáveis, tanto pra você, quanto pra boy que você está comendo, até porque, como diria minha mãe, é ele quem sabem onde arde o calo. E sabe aquela boa e amiga punheta no banho? Também serve pra testar a parceira. Permita-se!



2. Aceite seu padrão
Nem apertada, nem folgada. A camisinha tem que desenrolar e ficar confortável. O comprimento é o que menos importa, mas sim, a largura. Se a neca é das boas, escolha as com largura de 54 a 56 milímetros. O conforto é incrível. Se você tem o bom e básico pau eficiente, escolha a de 52 milímetros, mas se você precisa ter mais performance [tudo bem, pau bom é pau duro], não se acanhe, escolha a de 49 milímetros e mande brasa. Nada de vergonha. Quem sabe, faz!

3. Brinque
Há cores, sabores e aromas que podem deixar sua transa bem legal. Claro, bom senso na hora da escolha [nada de escolher uma camisinha fluorescente e brincar de espada de Jedi]. Todo mundo gosta de ser surpreendido na hora da transa [exceto quando a coisa rola no darkroom da boite]. Uma vez ou outra, ouse no preservativo. O mundo é rosa!


4. Domine
Ninguém conhece melhor seu pênis do que você. Se o boy não tem habilidade em colocar camisinhas no cara, não peça. Faça você mesmo. Uma camisinha mal colocada pode rasgar durante a penetração ou até apertar o corpo do pênis impedindo o fluxo do sangue. E não, você não quer broxar por causa da camisinha.

5. Cuidados essenciais
Opte por preservativos lubrificados. Nem sempre se tem um tubo de gel lubrificante na hora de uma rapidinha. Nada de migrar da vagina pro ânus com a mesma camisinha. É preciso trocar. Gozou, tirou. O resto você já sabe, ou vai descobrir ao lado dela.
Faça sexo seguro sempre. Mas faça muito!
Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.