Ator deixou ‘True blood’ para não interpretar personagem gay



Via: O GLOBO

O ator Luke Grimes, que interpretava o vampiro James em “True blood”, da HBO, resolveu sair da série por se recusar a interpretar um personagem gay.

O primeiro episódio da sétima — e última — temporada da série, que estreou nesta semana, dá fortes indícios de um envolvimento amoroso entre James, agora interpretado por Nathan Parsons, e Lafayatte, vivido por Nelsan Ellis. E essa reviravolta no personagem teria sido o motivo para a decisão de Grimes em abandonar o show.

Em dezembro, quando foi anunciada a saída do ator, a HBO soltou um comunicando explicando que o ator deixava o programa devido à “direção criativa do personagem”. Mas de acordo com o site “Buzzfeed”, uma fonte envolvida com a produção da série, que preferiu não se identificar, informou que o ator disse que não faria cenas de beijo ou sexo gay após ler o roteiro para a nova temporada. Como os roteiristas se recusaram a mudar o script para o ator, ele abandonou a série.

O assessor de imprensa de Grimes, Craig Schneider, afirma que o ator saiu de “True Blood” por incompatibilidade de agenda. "Luke tinha uma cláusula que o deixava sair caso outras oportunidades surgissem, e isso ocorreu com sua participação nos filmes “The Shangri-La suite”, “50 tons de cinza” e, mais recentemente, “American sniper”, de Clint Eastwood", disse em entrevista ao site. "Não teve nada a ver com o roteiro".

Ainda segundo a fonte, os roteiristas e colegas de elenco teriam ficado furiosos com a relutância de Grimes em aceitar a orientação sexual de seu personagem, já que a série sempre sempre apresentou uma temática simpática ao universo LGBT.

“True Blood”, no ar na HBO Brasil, terá seu último episódio exibido no dia 24 de agosto.
Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.