Em terra de macaco ninguem quer ser viado


As redes sociais de todo o Brasil foram tomadas pela tag #SomosTodosMacacos, o contexto de tudo isso vocês já devem saber. Mais um jogador brasileiro vítima de "racismo" na Europa. Dessa vez Daniel Alves teve uma banana arremessada em sua direção durante o jogo do Barcelona contra Villarreal, no último domingo, 27. O jogador como forma de "defesa" aderiu ao deboche e comeu a banana, alí mesmo, no meio do gramado.

Fez certo? Claro que fez! Ao assumir sua identidade negra, e debochar da comparação pejorativa com os macacos, Daniel desencadeou uma rede de apoio e pessoas assumindo seu lado "macaco" ou negro de ser.
Mesmo com quilos de publicidade, Luciano Huck ganhando dinheiro com isso, e a tag #SomosTodosMacacos sendo criação de uma agência de publicidade; pelo menos um debate necessário foi levantado.

Algum tempo depois uma página fake da rainha do rebolado, Gretchen, postou algo no mínimo interessante e necessário. Vejamos:


Daí você pensa: é mesmo, nunca ninguém saiu na defesa do Richarlysson. Caralho, que sociedade hipócrita de merda e blá blá blá. 
Ok, tudo bem, mas vamos pensar mais uma vez: ao contrario de Daniel Alves, Richarlysson nunca assumiu uma identidade gay e nem revelou ser homossexual, então precisamos primeiro partir desse princípio. 
Aceitar ofensas calado não as torna tão interessantes quanto debochar delas, e ao invés de se fazer de vítima, tomarmos um ar superior, e mostrar que nossa sexualidade, ou raça, transcendem todo preconceito deixa tudo bem mais fácil.

Não podemos negar que o brasileiro é racista, é misógino, é xenofóbico, e homofóbico também, aliás, o mundo é assim. O preconceito está enraizado em nossa sociedade, mas alguns deles parecem ser menos aceitáveis do que outros. Talvez por um conceito histórico, religioso ou apenas social. Não adianta discutir; entre negro e gays, nos ainda temos muito que lutar.

Movimentos negros no Brasil são bem mais antigos do que os LGBT, suas representações e articulações políticas maiores e mais atuantes. Mas e esse algum jogador chamado de "viado" assumisse o preconceito e tivesse uma atitude tão digna quanto; será que nesse momento todo o Brasil seria viado?
Será que metade do elenco da Globo sairia na defesa do tal jogador usando tags do tipo #SomosTodosViados ou algo parecido?

Em 2011 aconteceu algo assim num jogo da liga de vôlei de SP [olha aqui] e o final a história foi totalmente desanimador. Nem parece o mesmo Brasil que três anos depois iria viralizar fotos segurando bananas e se dizendo macacos, num movimento contra o racismo.

Tenho minha previsão, mas prefiro renegar isso para não desanimar muitos de vocês, mas uma coisa é certa: EM TERRA DE MACACO, NINGUÉM QUER SER VIADO!
Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.