"Caio e Léo": Peça fala sobre vida, tempo e o amor entre dois jovens

Atores: Ari Areia e Tavares Neto / Foto: Gabi Gomes
Esse ano já tivemos dois filmes lindos e ambos tem na trama central uma relação entre pessoas do mesmo sexo. Agora chegou a vez do teatro colocar no palco uma história onde mais uma vez o amor entre moços é o foco, pelo menos aqui em Fortaleza, cidade onde está em cartaz até o final desse mês a peça "Caio & Léo".

Caio é consultor de planejamento e Léo um fotógrafo, os jovens se conhecem num píer à beira mar, entre olhares e conversas acabam se envolvendo. Transpondo a ideia de um mero romance homoafetivo, a peça tenta ir além ao abordar de maneira mais intensa e profunda temas como sexo, afetividade e tempo. 

Despindo os personagens e ao mesmo tempo os construindo em cenas fortes, expressas pelo tesão, sarcasmo e agressividade, “Caio & Léo” sustentam características opostas, detalhes escondidos que são revelados durante os 55 minutos de espetáculo, e segredos que impedem que um dos dois se entregue a nova paixão.

Foto: Gabi Gomes
Com texto do cearense Rafael Martins fundador do Grupo Bagaceira de Teatro e direção de Yuri Yamamoto, o espetáculo fica em cartaz sempre as sextas-feiras, entre os dias 02 e 23 de maio, no Teatro SESC Emiliano Queiroz, aqui em Fortaleza.  

Para quem não assistiu a peça ainda e está com uma gostinho de quero mais, conversamos com o autor de "Caio & Léo" e vocês conferem aqui:

A peça vai além de uma história de romance entre dois homens, tratando de afetividade, sexo e tempo. Como foi o processo de criação do texto, inspiração e porque tratar de uma relação homo?

A primeira versão de “Caio e Léo”, escrevi há mais ou menos 12 anos e estreamos o espetáculo em 2003, com direção do Aldo Marcozzi. Eu era um dos atores. Agora tive a oportunidade de voltar à sala de ensaio para refazer o texto com um olhar mais amadurecido, porém tentando conservar o frescor daquela época.
Caio e Léo é uma peça à flor da pele. O afeto, a força incontornável dos desejos, as dificuldades de entendimento, os desencaixes, a necessidade de fazer escolhas... Tudo isso está no espetáculo.
Sobre a relação homo, eu acho natural, é a vida, é o amor e que bom que é assim. Acho importante e político que eles sejam gays. Mais que simpatia, quero motivar empatia. É mais difícil e complexo. No palco, as pessoas verão duas figuras humanas, com tropeços e qualidades iguais aos de qualquer um da plateia.

Foto: Gabi Gomes
Na peça os protagonistas apresentam personalidades e características diferentes. Como foi o processo de criação dos dois, e qual o motivo dessa “disparidade”? Vale aqui o ditado de que “os opostos se atraem”?

Sim, é preciso buscar as diferenças. Não é por serem gays que eles são iguais. O desejo que um sente pelo outro é apenas a porta de entrada para uma relação cheia de contestações. Há conflitos motivados por essas diferenças e muito fascínio, naturalmente.

O que nos poderíamos saber a mais sobre “Caio & Léo”? Qual a mensagem a peça pretende passar pra quem for assistir ao espetáculo?

Em “Caio e Léo” a paixão também serve de metáfora para a vida, que não é mansa, não está aí para atender prontamente às nossas vontades. Há um caminho e há surpresas no meio do caminho. A vida é agora. Prontos, firmes e prevenidos, nunca estaremos. Por isso acredito que, através desses dois jovens, a peça fale sobre qualquer um de nós.

Peça: Caio & Léo
Em cartaz sempre as sexta-feiras entre os dias 02 e 23 de maio, no Teatro Sesc Emiliano Queiroz, Centro, Fortaleza às 20 horas.
Preço: R$ 6,00 [inteira] R$ 3,00 [meia]
Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.