Uma discussão sobre fidelidade

Foto: Gastohn Barrios

Era um domingo à noite, quando um amigo me liga desesperado dizendo que tinha acabado de encontrar o “scruff” instalado no celular do namorado.  O fato é que há dois dias o tal aplicativo de pegação que todos nos conhecemos muito bem, não estava lá. E agora? 

O medo de ser traído é algo que realmente afeta a todos os que se aventuram em um relacionamento, mas acredite, traição vai além de fazer sexo com alguém que não seja o seu parceiro. Existem diversas outras formas de ser traído, e o sexo não é a pior delas.

Quando se trata de um relacionamento gay a fidelidade é algo quase desacreditado, a lenda conta que namoros gays não duram muito, e quando os relacionamentos engatam: ou acabam abrindo a relação depois de algum tempo, ou os dois pulam a cerca, mas preferem fingir que nada aconteceu.  Ao contrário das nossas colegas lésbicas, que tem a capacidade de serem naturalmente monogâmicas, e pensem bem, com heteros a coisa funciona da mesma forma: os homens traem mais, e as mulheres são quase sempre as mais fiéis.

Rihanna - Unfaithful 


Parto do princípio que para o homem é fisicamente quase impossível não fazer sexo com outras pessoas, mesmo estando numa relação. Funciona como um simples desejo carnal, de experimentar novos sabores e nada mais. Quando você coloca então dois homens numa relação, que biologicamente tendem a ter esse comportamento, a coisa complica.

Isso explica o número até expressivo de relações gays abertas, onde há a intervenção de terceiros no sexo do casal, ou onde cada um tem a liberdade de transar com outros, mas sem nenhuma relação afetiva além do namorado [é claro]. Para alguns isso é algo estranho, errado e uma ferramenta fajuta para tentar segurar uma relação já falida.

Nem tanto! Devemos levar em conta que somos gays, e não heteros. Acredito que esse princípio de fidelidade e monogamia foi criado pelos padrões heteros e cristãos de relacionamento, e isso, indiscutivelmente é algo que eu não sou. Então porque devo heteronormatizar meu namoro? É essa a pergunta que faço todos os dias.

Seja sincero consigo mesmo: mesmo namorando você não sente desejo em transar com outras pessoas? A resposta quase sempre é “sim” e se algum de vocês disser que não: meus parabéns! O mais assustador é perceber que o seu parceiro deve sentir o mesmo desejo, mas os dois se reprimem por medo, ou receio de saírem do padrão hetero que caiu sobre os relacionamentos gays. Deixa só eu enfatizar uma coisa: SOMOS GAYS!

Sobre o meu amigo: o namoro dele continua bem. Depois de uma explicação meia-boca, ele acreditou [ou fingiu] e o namoro segue [eu acho]. E sobre a traição: pior do que saber que seu namorado transa [ou transou] com outro caras, é cair a ficha que ele não confia mais em você, quem um dia ele te passou a perna, que ele mente quando diz que te ama, ou que ele te engana quando diz que curte a sua companhia, sendo que já não te suporta mais.

Então me diz: isso tudo também não só formas terríveis de traição?!

Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.