Infecção contraída após a prática do cunete assusta gays do Reino Unido



Um tema prazeroso para alguns e nojento para outros: essa coisa deliciosa chamada cunete, beijo grego, cunilíngua ou como se diz lá fora "rimming" que consiste nada mais, nada menos, do que na prática do sexo oral anal ~ isso mesmo, um língua quente e molhada deslizando pelo seu coozinho meu amor.

O problema é que apesar de todo os cuidados, uma  infeção bacteriana chamada de "Shigella" tem assustado muitos gays do Reino Unido. "Shigella" pode levar uma pessoa à diarreia frequente, dores de estômago, vômito e febre, uma das maneiras de contrair essa infeção é pelo ato do rimming/cunete, pois a língua de um dos parceiros estará em contato oral com as fezes do outro parceiro [é nojento, mas é a realidade].



Em 2009 no Reino Unidos, 43 casos foram registrados. Em 2013 esse número subiu para 224 casos. Cartazes sobre a infeção estão sendo espalhados em bares, saunas, boates e outros lugares em que o foco seja o público gay. Uma das maneiras de se evitar a  "Shigella" é lavando bem as mãos, tomando banho depois do sexo e a mais lógica e mais difícil  de todas, é deixando a prática de  rimming/cunete de lado. 

O paciente além da diarreia, pode sentir cólicas, dores de cabeça, desidratação entre outros sintomas. A contaminação tem cura através de antibióticos. A situação fica grave em pacientes que já possuem o HIV ou Hepatite C. E vale lembrar também, que muitos pacientes confundem a "Shigella" como uma intoxicação alimentar. 

Além dos cuidados com a saúde, o mais óbvio também é sempre verificar se o parceiro está com o ânus limpinho [gente, eu nem acredito que estou falando isso] e claro, ir ao médico, fazer exames de sangue, urina e claro, fezes.

Via: Bafonique
Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.