Que venha 2014



Um das coisas mais certas que o homem fez, foi dividir o tempo em pedaços: horas, semanas, meses e anos. Com isso ele conseguiu estabelecer o começo, meio e fim, e em alguns casos um novo inicio. Hoje mais uma vez termina um ano e um novo inicia, e como todo recomeço ele vem cheio de esperanças e possibilidades de fazer coisas novas, ou apenas corrigir os erros de antes, ou quem sabe fazer tudo igual novamente.

Nos últimos doze meses aprendi muita coisa, chorei, sorri, fiz grandes amigos, firmei um grande amor e cai... me machuquei e acreditem, consegui forças pra levantar. Aprendi que levar a vida a sério não faz sentido, e que a opinião de ninguém sobre mim é mais importante do que a minha própria. Sim, sou gay e isso não me faz melhor e nem pior do que ninguém [isso vale para você também].



Não podemos exigir que os outros nos amem, mas no mínimo eles nos devem respeito, e isso parte primeiramente da gente [de mim, e de vocês]. Se os nossos laços de sangue não são capazes de nos dar amor, olhe bem a sua volta e perceba que a vida vai tratar de suprir essa necessidade, há “amigos mais chegados do que irmãos”.

Sobre o amor, que já tem o seu, que seja eterno enquanto dure, quem ainda está à procura o melhor é fechar os olhos e viver, um dia o amor chega, e quando isso acontecer apenas esteja atendo para perceber e não deixá-lo escapar.



Fazer o “Blog Para Mocinhos” me ensina a cada dia, amadureço, solto risadas e tento fazer vocês sentirem o mesmo. Enfim, serão mais doze meses juntos, conto com o apoio, compreensão e claro os acessos e comentários de vocês.

Desejar um feliz 2014 é pouco, aliás, para que ele seja realmente feliz só depende de vocês, mas eu prometo que mesmo distante vou tentar ajudar.

Alexander Castro
Editor do Blog Para Mocinhos
Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.