Acabou a palhaçada? Feliciânus deixa a presidência da CDH


Para a nossa alegria, ou nem tanto assim, até porque ninguém sabe quem vai ficar no lugar dele ainda. 
O pastor, metrossexual, heterossexual e deputado federal Marco Feliciânus (PSC-SP) finalmente deixou a presidência da Comissão dos Direitos Humanos da Câmara Federal.

A ultima seção presidida por ele foi na quarta-feira,18/12, e não se deve ao fato de que algum movimento LGBT ou a favor de alguma outra minoria conseguiu tirar ele do poder, na verdade é só porque o mandado dele acabou mesmo.

Mas não pensem que ele vai voltar para  igreja e começar a pedir dízimos para sobreviver, pelo contrário, Feliciânus curtiu tanto a política que pode até se candidatar para senador por SP ou quem sabe apenas para deputado novamente, tudo vai depender dos possíveis concorrentes.

Em entrevista para "O Globo" ele afirmou que deixou a comissão "famosa" e espera que o PT, que é quem ele acredita que deve assumir, "dê mais valor à comissão que eles abandonaram”. Aliás, abandonar não é o termo correto, na verdade a CDH virou moeda de troca do governo Dilma para garantir o apoio da bancada evangélica que já tem peso na política nacional [olha aqui].


Para 2014 fica a esperança de que o governo respeita a comissão e sua missão que é garantir direitos iguais para a minorias, e não o de pregar o ódio, vetar leis essenciais para o seus público direto e muito menos colocar um deputado homofóbico e racista na presidência. E para você que acha que votar em candidatos pró-LGBT não faz diferença, fica o aviso: tem gay morrendo por sua culpa.

* Sei que fui pesado na última frase, mas olha, essa é a pura verdade. Precisamos de políticos que defendam nossos direitos, e para que isso aconteça só depende de nós.
Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.