"Work Bitch" plágio, e até dublê de corpo? Como assim Neide?



É serio gente, eu tô com pena da Neide.
A bichinha até se esforça, mas depois de drogas, dois filhos, internações e alguns muitos quilos perdidos é óbvio que ela não é a mesma, mas mesmo assim a gata tá tentando né?

O problema é quando a tentativa acaba em cagada, mais ou menos o que aconteceu com "Work Bitch". Como era de se esperar estão acusando a gata de plágio, o diretor do clipe, Ben Mor, até tentou esclarecer as acusações e comparações com os clipes da “Personal Look“, da chinesa Jane Zhang, e “Corazón (You’re Not Alone)“, da dupla americana Prima J.


Sobre o acontecido, Ben falou em seu instagram,

“Dançar no deserto é algo que já foi feito centenas de vezes… mas não com Britney. Quando você dança no deserto, você precisa de uma área para a pista de dança. E ela pode ser quadrada ou redonda. Eu escolhi quadrada”, ele disse sobre a gravação no deserto.

“A locação da piscina é uma locação já existente e que já foi usada várias vezes principalmente em ensaios fotográficos, e aparentemente em alguns vídeos de ‘estrangeiros’ que ninguém no hemisfério norte tenha ouvido falar… mas nunca com Britney e tubarões e durante a noite. Agora e para sempre ela será conhecida como a locação do vídeo de Work Bitch de Britney.”



Mas todo castigo pra diva é pouco. Agora rola um vídeo dizendo que a Neide Spears utilizou um dublê de corpo nas cenas de dança ~ mas gente, pra que isso? Ela só se balançou de um lado pra outro. E só pra constar a própria Neide comentou que adoraria fazer um vídeo todo dedicado a dança. Tá de brincadeira né gata?!

Cata o vídeo e fica de boca aberta beschan!


Apenas rindo eternamente ~ kkkkk ~ foi só zueira do povo, e eu adoro uma putaria, um atraque de gay por causa de diva e todos esses dilemas de uma bicha pop poc, e já que estamos falando de putaria, vem ouvir essa mashup de "Work Rapariga" com "Late que eu tô passando" da Valesca Popozuda. Ficou mágico!





Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.