Vem ver a apresentação da Katy Perry no iTunes Festival


Foi o último dia do Festival iTunes em Londres: 30 shows em 30 dias durante o mês de setembro. Concertos intimistas na casa de shows Roundhouse (com lotação para menos de 5 mil), no alternativo bairro Camden Town, marcados sempre por um calor infernal. Para fechar o mês, a estrela morena do pop, Katy Perry , se apresentou trazendo algumas (poucas) novas canções em um show que talvez tenha sido o mais curto de todo o festival: 9 músicas.

Na abertura, ela apresentou Walking on Air, nova melodia dançante de refrão chiclete e clara homenagem aos anos 90. A coreografia, os lençóis brancos esvoaçantes e as sombras projetadas lembravam vídeo clipes típicos da época. Aliás, os anos 90 têm provado ser uma tendência no pop (Gaga também se inspirou na década para montar seu Artpop). Durante a coreografia da nova Dark Horse, Katy mostrou que quer ser mais sensual. "Let's get down and dirty", disse ela se referindo à sensualidade. Em I Kissed a Girl, em versão guitarra, ela balançava os cabelos e se movimentava deitando em frente ao guitarrista. Katy também insinuava movimentos sensuais com os vários dançarinos que pulavam e dançavam com ela no palco. A ideia é se distanciar da imagem infantil que marcou o último álbum e turnê. O show inteiro teve muito menos colorido que o glitter da turnê de California Dreams, que passou pelo Brasil. As roupas de Katy e dos dançarinos eram mais escuras.


Foram duas trocas de figurino somente e esqueça os vestidos de pirulitos; Na primeira, Katy vestia saia tartan, estilo escocês, e um top com decote provocador. A segunda roupa era gótica, justa, preta e reveladora. Os cenários no palco traziam triângulos móveis de cores arco-íris com o nome de seu terceiro álbum, Prism.

By The Grace of God foi uma das poucas novas faixas que ela apresentou. "Essa foi uma das primeiras músicas que escrevi para esse álbum", disse ela apresentando o amigo co-autor da música, Greg Wells no palco. Na balada, ela fala sobre ser derrubada e se levantar de novo, uma clara alusão ao casamento fracassado com o comediante Russell Brand. "Pela graça de Deus, eu me olhei no espelho e decidi continuar", diziam as letras que lembravam as suas raízes de cantora cristã adolescente. "Obrigado por me deixar continuar", disse ela logo após. Em Teenage Dream, ela cantava sobre querer ser seu sonho adolescente, mas após o divórcio - que a levou à pensamentos suicidas, segundo entrevista à revista Billboard americana - Katy é uma mulher que canta sobre sobrevivência. No fim da próxima faixa, Wide Awake, confetes saem da palma de sua mão em um efeito interessante e que deu total sentido à música. Há sensualidade nas suas novas performances, mas o fator 'bonitinho' que a destaca das demais continua.

Roar foi a conclusão do 'pocket show', em que a americana cantou mais uma de suas faixas estilo auto-ajuda, em um cenário de ring de luta, vestindo uma saia eletrônica. Ela até pulou corda perfeitamente entre um refrão e outro (claro, sem usar salto alto) encerrando uma noite sem convidados, nem bis: curto, grosso. Um show amostra de que seus próximos concertos serão mais adultos e sexy. "Você vai me ouvir rugir", dizia ela em Roar. Bem-Vinda de volta Katy, o pop agradece.

Setlist

Walking On Air
Cli Girl / Teenage Dream
I Kissed A Girl
Dark Horse
Part Of Me
By The Grace Of God
Wide Awake
Firework
Roar

Via: Terra

Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.