Vem baixar: "Bangerz" da Miley Cyrus e "Batuk Freak" da Karol Conká


Eu juro que deveria ter postado esses dois links a umas três semanas atrás, mas não postei por motivos de que ~ não sou obrigada.
Pois bem, para quem ainda não baixou o novo CD da Miley Cyrus que foi lançado ontem, 08, chegou a hora de baixar.

O álbum "Bangerz" alcançou o topo do iTunes dos E.U.A em apenas 30 minutos, quebrando recordes e dando tapas e mais tapas na cara das invejosas.
Seja pela polêmica ou não, o álbum merece todo o respeito porque acreditem, ele está realmente bom.
Numa onda onde se faz farofa para conseguir chegar ao topo, Miley foi na contramão do comum.


Um quebra de identidade que ela já tentava fazer a muito tempo, e finalmente conseguiu. Sendo puta? Talvez! Nada do que ela fez até agora é novidade, já está cheio de divas por ai que ficaram nuas, e deram declarações polêmicas até a beira do cooh tremer. O fato é que "Bangerz" é diferente, musicalmente falando. É nigga, tem uma pegada black, mas ainda deixa vestígios daquela menina que um dia foi a "Hanna Montana", mesmo a própria Miley declarando que esse carma já está morto.

O álbum tem parcerias de peso: Britney Spears, Big Sean e Ludacris, além da produção executiva do rapper Pharrell Williams. Esse é o primeiro trabalho da moça pela RCA Records, desde quando se desligou da Hollywood Records, selo da Disney. Pra quem ficou curioso e quer finalmente ouvir essa nova Miley ~ BAIXA AQUI.

Outro álbum que eu acho que todo mundo deveria ouvir é de uma moça brasileira chamada Karol Conká, eu mesmo já estou ouvindo essa delícia que é o "Batuk Freak" faz uns três meses e apenas fiquei viciadíssimo.
Eu tenho meus motivos por esse amor todo e vou falar agora:

Não foi á toa que a gatinha ganhou o prêmio de Revelação no VMB, ela mereceu. Imagine um disco que consegue reunir todas as batidas mais safadas e envolventes que você já ouviu na vida? Batuk Freak tem isso, e pasmem, com cheiro, jeito e voz de Brasil.
Em um único disco ela consegue ser pop, nigga, funk, hip hop, electro e mais um monte de coisa, mas sem deixar de lado a sua raiz negra, com letras com cheiro de periferia mesmo.


Se ser pobre tá na moda, Karol consegue elevar isso, só não pode ser pobre de espírito, afinal, ela samba nas raízes da cultura negra, e quando eu falo raízes eu quero dizer "macumba", aquela batida frenética do Candomblé. Ela vai além e traz um reggae delicioso com jeito de liberdade e vida na música "Sandália" ~ que é a minha preferida.

Juro que eu poderia fazer uma resenha do tamanho da minha neca [grande] só descrevendo todas as referências e batidas gostosas do Batuk Freak. Deixando todo o blá blá blá de lado: BAIXE O DISCO AQUI e depois me conta se curtiu.

Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.