Alugo gay promete perder a virgindade anal em espetáculo de arte

Sabe aquela sua amiga que faz artes, alternativíssima e que de vem em quanto fala umas putaria que ninguém entende, e você acha o máximo o fato da bicha ser altamente ligada a arte e nem por isso ser uma little monster ~ pois é, esse moço aqui conseguiu sambar em cima de tudo isso.


Clayton Petter aluno do segundo ano da Central Saint Martins Art School, em Londres, planeja perder sua virgindade anal em frente de uma galeria lotada de espectadores! O evento está marcado para acontecer no dia 25 de janeiro de 2014, no que ele chama como uma “performance de arte”.

“Art School Stole My Virginity” (“Escola de Arte Roubou Minha Virgindade”, em tradução literal)é o nome do espetáculo que ele já vem planejando a três anos. Clayton e um amigo irão performar tudo de maneira segura, e depois da "performance" deve rolar um bate papo com a plateia.

“Eu segurei minha virgindade por 19 anos, e não vou perdê-la assim de qualquer forma”, garante Pettet. “Basicamente é como se estivesse perdendo o estigma em torna da virgindade”. Ele continua: “Como culturalmente nós valorizamos a ideia da virgindade, eu decidi usar a minha e criar um ato que penso eu estimulará debates interessantes e perguntas em torno do assunto”.

De um ponto de vista artístico a ideia dele é bacaníssima, dando tapas e mais tapas nos conservadores que ainda acham que virgindade diz algo sobre alguém. Por outro lado ele vai atingir níveis altíssimos de atrevimento, e confesso que talvez eu não teria essa ousadia toda, até porque a gente sabe que a primeira vez quase sempre dói né?

Ousadias a parte, todo o meu respeito pelo moço, e bem, que ele faça a chuca e que o boy ativo seja carinhoso. Dar já é difícil, na frente de uma multidão de gente e pela primeira vez, complica mais ainda.
Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.