Na vida real: Mordomo e motorista de Felix em "Amor à Vida" moram juntos


Felipe Titto e Kiko Pissolato arrancam suspiros da mulherada com seus personagens - o mordomo Wagner e o motorista Maciel, respectivamente -, sedutores em "Amor à Vida". Além da beleza, os atores tem outra coisa em comum: o apartamento. Eles dividem um duplex, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, alugado pela Rede Globo. "Esse cara tem 17 regatas brancas iguais, tipo vestido da Mônica", brincou Felipe sobre seu colega de trabalho em entrevista à coluna "Retratos da Vida", do jornal carioca "Extra".

Os atores começaram a dividir o apartamento por causa da novela e mostram que têm os mesmos conceitos em relação ao estilo de vida. "Nosso rolé é jantar fora e receber os amigos para um churrasco. O Felipe tem esse aspecto de maluco, todo tatuado, mas nunca colocou uma gota de álcool na boca", revelou Kiko. "Não tenho curiosidade nem vontade de sair do meu estado de sanidade", completou o intérprete do mordomo Wagner sobre a declaração do amigo.

 


Os galãs são casados, mas só a mulher de Felipe mora com ele no primeiro andar do apartamento. "Mulher tem no mundo inteiro. Mas eu valorizo o amor, não a pegação. Prefiro o prazer na minha própria relação. Não tem porque estar junto se não quiser. Respeito é respeito", disse Titto, que é casado há dois anos com a arquiteta Mel Martinez. A mulher de Kiko é atriz de teatro e não pode ficar muito tempo com o marido por conta do trabalho.

Mesmo muito feliz com seu personagem, Kiko já está torcendo para que seu próximo papel seja diferente do motorista Maciel. "Tomara que venha um mocinho, bobo e sorridente. Sonho fazer uma novela rural, andar a cavalo".

Em recente conversa com o Purepeople, Felipe comentou sobre as cenas quentes que divide com Bárbara Paz em "Amor à Vida". "É tudo ensaiado antes, existe toda uma logística. São pegadas fortes e a gente já tem tudo certinho para fazer a cena", explicou.


 

 


Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.