Feliciânus faz a linha "podre" e aprova a Cura Gay


Estávamos todos na rua, gritando, correndo, manifestando e levantando cartazes, quando o pastor e presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Marco Feliciânus, resolveu trazer em pauta o projeto de cura gay ~ que caiam, foi finalmente aprovado.

O babado rolou no último dia 18, e claro, não noticiei porque estava nas ruas, dando close lutando por um país melhor, mas confesso que fiquei revoltado com a notícia. Até haviam manifestantes no local, mas poucos, poucas faixas e pouco barulho. Um deputado até tentou adiar a votação, mas por algum motivo, teve o microfone cortado.

Com a aprovação, psicólogos poderão propor tratamento para a homossexualidade, derrubando, assim, normas do Conselho Federal de Psicologia que proíbem que a homossexualidade seja vista como doença.

É claro que houve um oportunismo, uma aproveitamento para aprovar por debaixo dos panos algo que não tinha dado certo ainda. Mas tudo bem, pra quem conseguiu assustar um país e o mundo inteiro, e até agora faz um barulho que reverbera pelos quatro cantos do mundo, tirar um pastor de um cargo político não deve ser algo impossível ~ sim, isso foi um recado, a cada um dos manifestantes que estão mudando o Brasil.

Se estamos doentes, isso significa???

Confesso que me assusta toda vez que ouço o nome "Feliciânus", não por medo dele, mas por temer a grande merda que ele está por fazer, tipo essa da "cura gay". Nas redes sociais todo mundo brinca com a possibilidade de nós gays estarmos doentes. Sendo assim, ai vão atestados médicos, faltas no trabalho, faculdade e tudo isso devidamente explicado: ESTAMOS DOENTES!

No caso de Toni Reis, diretor-executivo do Grupo Dignidade, a brincadeira foi bem mais além. Ele fez um pedido irônico nesta quinta-feira: aposentadoria compulsória por invalidez por homossexualismo. "Já que eles querem brincar com a nossa cidadania, nós vamos usar isso (pedido de aposentadoria) de forma tranquila", disse ele  [por favor, palmas].

Reis propõe que o benefício seja o equivalente a 24 salários mínimos. Ele foi o primeiro a encaminhar o pedido de "aposentadoria compulsória retroativa por homossexualismo" aos ministros Garibaldi Alves (Previdência Social) e Alexandre Padilha (Saúde). "Se somos doentes, somos inválidos. Logo, temos que nos aposentar", ironizou o ativista.

Enquanto isso, nos Estado Unidos: grupo que oferecia "cura gay" pede desculpas e fecha as portas 




Foram 37 anos dizendo que a homossexualidade era um desvio. A missão era, até esta quarta-feira (20/06), “ajudar” os gays a reencontrar "o caminho para ser um cristão pleno”. No entanto, a organização Exodus International mudou de ideia, pedindo desculpa pelos tempos de represálias aos casais do mesmo sexo. “Uma nova geração de cristãos está procurando mudanças. Ele querem ser ouvidos”, afirmou à imprensa dos EUA o líder da entidade, Tony Moore.

A Exodus anunciou ontem que vai fechar as suas portas e não irá mais oferecer a “cura gay”, que foi o carro chefe da organização desde 1976, quando começou a "recuperar" as pessoas. “ Nós fazemos parte de uma comunidade conservadora cristã. Mas nós cessamos e agora queremos vida, um organismo que respira”, disse Moore.

Via: OPERAMUNDI
Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.