Desculpa mas viciei na Anitta e no "Show das Poderosas"


E mais uma vez a web construindo ídolos em questões de horas.
Um moça, de 20 anos que postou um vídeo no youtube, e pouco tempo depois fez um teste para a "Furacão 2000" e começou assim a sua carreira no funk.

Tudo ia bem, até alguem perceber que ela tem potencial, e investir numa imagem sexy, dominadora e levando o discurso das mulheres que gozam, que estão na frente, por cima, e claro, humilhando os homens.

Junte tudo isso, aplique numa letra safadíssima, com uma morena linda, quase semi-nua e alguns dançarinos em passos que lembram de longe algum hit pop americano. Assim nasceu a mais nova queridinha ~ inclusive dos gays ~ Anitta.

Com nome de "santa", a pureza acaba por ai. Dona do single "Show das Poderosas" a gatinha conseguiu mais de 700 mil visualiações do seu clipe, em apenas 3 dias. O que ele tem de mais?
Nada que seja novo.


A música carrega o sample produzido pelo Major Lazer, que já foi usando pela diva.mor Beyoncé, pelo carinha da "axila" Mc Naldo, e agora por Anitta. A letra pra variar atingiu níveis altíssimos de piriguetismo e em momento algum ela usou a palavra "recalque", mas conseguiu ser mais profunda do que divas do estilo como Valeska e Tati Quebra Barraco.

Já o vídeo é simples, preto e branco, um palco e um microfone com doses de senxualidade. O figurino é bem parecido [igual] ao usado pela Miley Cyrus na Gypsy Heart Tour, mas nada disso tira o brilho da novata brazuca.

Seja pela sensualidade exagerada, pela conbinação de dança e letra safada, ou pelo discurso de soberania e dominação sobre os homens Anitta promete causar muito barulho, e claro, descolar o seu lugar no coração e no ouvido dos gays ~ que são um mercado poderozíssimo.


Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.