Viral: Vídeo lindo apoia casamento igualitário


Primeiro vamos por partes:
Encontrei esse vídeo por acaso na internet, resolvi assistir e descobri que ele foi uma "tentativa" de viral, levantando a bandeira do casamento igualitário.
A música ficou por conta da duo Macklemore & Ryan Lewis de Seattle (E.U.A), e que fizeram isso muito bem. O caras são sao headliners da cena hip-hop dos lados de lá, mas além disso não consegui discubrir muita coisa.
 A música fala de preconceito, religião, amor e mais um trilhão de coisas que talvez até te faça encher os olhos d'agua.
Fica então a dica para quem quiser curtir esses 7 minutos ~ vale a pena.


Macklemore & Ryan Lewis Same Love

Quando estava na 3 ª série
Eu pensava que era gay
Porque eu sabia desenhar e meu "tio" era
Eu mantinha meu quarto arrumado
Eu contei pra minha mãe com lágrimas correndo pelo rosto
Ela disse: "Ben você adora meninas desde o pré-escolar"
Sim, acho que ela tinha um argumento, não é?
Um monte de estereótipos na minha cabeça
Lembro que estudava matemática com algo do tipo:
"Yeah, eu sou bom em pequenos campeonatos [baseball]"
Uma ideia preconcebida do que significava aquilo tudo
Aos que gostavam de pessoas do mesmo sexo tinham as mesmas características
Os conservadores de direita acham que é uma questão de decisão
E você pode ser curado com algum tratamento e religião
Feito pelo homem relacionando a uma predisposição
Brincando de Deus
Ahh nah, aqui vamos nós
América, a corajosa
Ainda teme o que não sabemos
E Deus ama todos os Seus filhos
Que de alguma forma foram esquecidos
Mas parafraseamos um livro escrito
3.500 anos atrás
Eu não sei

[Hook: Mary Lambert]
E eu não posso mudar
Mesmo se eu tentasse
Mesmo se eu quisesse
E eu não posso mudar
Mesmo se eu tentasse
Mesmo se eu quisesse
Meu amor, meu amor, meu amor
Ela me mantém aquecido [x4]

[Verso 2: Macklemore]
Se eu fosse gay
Eu pensaria que o hip-hop me odeia
Você já leu os últimos comentários do YouTube?
"Cara, isso é muito gay"
Debruçados diante das notícias
Nos tornamos insensíveis ao que dizemos
Nossa cultura foi fundada na opressão
Sim, nós não a aceitamos
Chamamos uns aos outros de bichas
Por trás das teclas de uma caixa mensagens
Uma palavra enraizada no ódio
ainda ignorado pelo nosso gênero
Gay é sinônimo de inferior
É o mesmo ódio que causou guerras advindas da religião
Gênero e cor de pele
A aparêcnia da sua pele
A mesma luta que levam as pessoas às greves e invasões
Direitos humanos para todos
Não há nenhuma diferença
Viva! Seja você mesmo!
Quando eu estava na igreja
Eles me ensinaram algo
Se você pregar o ódio ao serviço
Essas palavras não se consagrarão
Aquela água benta
Com a qual você se benze
Está então envenenada
Quando todos os outros
Se sentem mais confortáveis
Permanecendo calados
Em vez de lutar a favor dos seres humanos
Que tiveram seus direitos roubados
Eu posso não ser o mesmo
Mas isso não é importante
Não existe 'liberdade até que TODOS nós sejamos iguais
Yeah, esta é a minha causa
[Trombone]
Eu não sei

[Hook: Mary Lambert]

[Verso 3: Macklemore]
Nós pressionamos o "play"
e não pressionamos o "pause"
Progresso, marche!
Com um véu sobre os olhos
Viramos as costas para a causa
Até o dia
Em que os meus "tios" possam se unir dentro da lei
As crianças andam pelo corredor
Atormentadas pela dor em seus corações
Um mundo tão detestável
Que alguns preferem morrer
A ser quem são
E um certificado no papel
Não vai resolver tudo
Mas é um bom começo
Nenhuma lei vai mudar a gente
Somos nós quem nos mudamos
Seja qual for o deus que você acredita
Nós viemos de um único Deus
Dispa-se do medo
Por baixo, tudo é o mesmo amor
É chegada a hora de levantarmos

[Hook: Mary Lambert]

[Outro: Mary Lambert]
O amor é paciente, o amor é bondoso
O amor é paciente (não chorando aos domingos)
O amor é bondoso (não chorar aos domingos) [x5]
Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.