Grammy 2012 pra Quem Não Viu


Hello minhas pequenas transexuais ainda não operadas.
Quem tem TV a cabo ou uma internet digna, deve ter ficado ontem louco de ódio com o Grammy 2012. O motivo é simples, aquela tabaca de premiação não foi tão boa quanto todas esperavam.
Juro que achei que faltaram certas pessoas naquele palco, foi clara a mistura de estilos nas apresentações, mas olha: precisava fazer aquela cagada de pato?

54º edição do prêmio e certas pessoas que antes brilhavam ficaram mortas, caladas e apagas. Para a tristeza de certas littles monsters a Lady Gaga entrou muda e saiu calada, por outro lado o proêmio fez justiça a uma das maiores revelações da música desde o ano passado: ADELE!
Ela foi a rainha do Grammy, com uma apresemntação amada por todos e de quebra fazendo um arrastão e levando 6 títulos para casa.

Agora larga de fazer a leza e ver curtir o Grammy com a gente.

A premiação começou com o Bruce Springsteen - que eu sinceramente não conhecia e logo em seguida tivemos a primeira magia de ontem, que foi o cuti.cuti do Bruno Mars que chegou cheio de luz e magia + uma coreô sedutora. Eu já falei que curto o som dele, mas gente, ele parece com uma amiga minha sapatona, mas nada tira o brilho do moço. Creio que ele foi uma das descobertas mais gostosas do estilo nos últimos anos, e sua apresentação deu um esquenta no Grammy.


Depois foram palmas para o cafuçu do Chris Brown, que como eu já esperava cantou “Turn Up The Music” e “Beautiful People” aquela música que podia fazer todo mundo rodar louco no terreiro.
Juro que teve umas horas onde eu torcia pra ele cair da buceta dessas caixas, quebrar o pescoço e morrer, mas infelizmente isso não aconteceu. E olha, o baitinga ainda levou o prêmio de melhor CD de R&B.


Outra apresentação que fez o mundo explodir foi a minha amada Rihanna com o delicinha do Chris Martim e os fofos do Coldplay.
Primeiro veio a gata cantando “We Found Love” com um look rapariga da BR e um cabelo digno da Tina Turner, eu jurava que ela ia quebrar tudo, ficar pelada no palco, mandar todo mundo ir se lascar e fazer a galera tirar o pé do chão, mas… nada disso aconteceu, se bem que a trava teve a audácia de dançar - coisa que ela não costuma fazer - e até ficou bacana.

Depois disso foi a hora de “Princes of China” um dueto delicia do Coldplay com a Rihaninha.
Eu já tinha dito que esperava por isso, e até que valeu a pena. A música não ficou nada que se diga “NOSSA QUE DELÍCIA” mas mesmo assim mereceu meu respeito.

E quando eu jurava que tinha acabado a putaria, o meu furuto marido começa a tocar “Paradise” e o palco explode em cores, e algo parecido com um gato preto se atraca na garganta do Chris Martin – só isso pra explicar a cagada e as desafinadas que o cara deu na música – e meu edí vibra num nível de marcar 7 pontos da escala Richter.


Claro o Grammy teve muito mais coisa, tipo o Adam Levine e CIA prestando homenagem aos “Beach Boys” e os próprios cantando ao vivo no palco – vou nem mentir que adorei ver os tiozinhos lá – além da Taylor Sem Sal Swift prestando uma homenagem a família buscapé e tambem rolou o Jason Aldean cantando “Don’t You Wanna Stay” com a Kelly Clarkson reinando com um microfone todo trabalhado nos cristais.

Mas vamos ao que importa: Katy Perry arrastando o título de melhor performance do evento.
Com uma introdução ao som de E.T e uma pseudo Perry cantando no palco, logo em seguida as luzes apagam e uma caixa de vidro surge nos céus e adivinha quem estava lá dentro: A KATYA!
Como prometido ela lançou seu novo single “Part of Me” e com uma vibração dos grandes lábios o palco pegou fogo, a gata mandou todo mundo ir a merda e mostrou ao que veio.


Mas o melhor estava por vir, depois da operação na garganta, a mais linda, mais cuti.cuti e a mais premiada da noite subiu aos palcos e gritou pra todos entenderem o porque dela ser tão amada e fez por merecer cada troféu que arrastou no 54° Grammy: ADELÃO.

Ao som de “Rolling in the Deep”, Adele literalmente fez todos calarem a boca e mais uma vez fez valer o talento que ela tem – ai gente, ela é um doce de pessoa, além daquela risada super cremosa que ela tem – e de pé a new.diva foi ovacionada pela platéia.


A noite rendeu muito mais, tiveram mais umas trocentas apresentações e claro como todos esperavam as homenagens as falecias e divas da música: Etta James e Whitney Houston.
A poderosa da Jennifer Hudson foi quem homenagegou a tia Whitney, e foi nitida a emoção da J. Hudson que tirou força do útero para não chorar - A GENTE ENTENDE LINDA!


Mas a tristeza durou pouco, bastou juntar Chris Brown e Li’l Wayne encantando com “I Can Only Imagine” com o David Guetta e na sequência os caras Foo Fighters colocaram todos pra pular ao som de “Raise Your Weapon” + o DJ fodástico Deadmau5.

Daí quando você jurava que a noite ia ficar assim, a perturbada da Nick Minaj vem se apresentar, e depois de um estágio com a caricata da Gaga, parece que Nickizona aprender a fazer merda jurando que é arte e conceito - bescha, nem só de close se faz a vida - e para isso fez um exorcismo no palco - incorporando a Regan de "O Exorcista".
Olha beschas, a cagada fão toi feia que eu nem gosto de comentar, só vendo mesmo.


Resumindo o 54º Grammy foi essa sedução ai, onde indiscutivelmente Adelão foi a rainha do babado, além de linda, talentosa e cuti.cuti a gata ainda distribuiu simpatia com aquela risada gostosa que só as gordas sabem dá.

E pra quem quiser, depois do pulo tem a lista dos premiados.




GRAVAÇÃO DO ANO (INTÉRPRETE)
“Rolling in the deep”- Adele

ÁLBUM DO ANO
“21″ – Adele

MÚSICA DO ANO (COMPOSITORES)
“Rolling in the deep” – Adele

PERFORMANCE SOLO POP
Adele – “Someone like you”

PERFORMANCE DUO OU GRUPO
Tony Bennett & Amy Winehouse – “Body and soul”

ÁLBUM POP
“21″ – Adele

PERFORMANCE ROCK
Foo Fighters – “Walk”

PERFORMANCE HARD ROCK/METAL
Foo Fighters – “White limo”

MÚSICA DE ROCK
Foo Fighters – “Walk”

ÁLBUM DE ROCK
Foo Fighters – “Wasting light”

ÁLBUM ALTERNATIVO
Bon Iver – “Bon Iver”

MELHOR PERFORMANCE DE RAP
“Otis” – Jay-Z & Kanye West

MELHOR PARCERIA/RAP
“All Of The Lights” – Kanye West, Rihanna, Kid Cudi & Fergie

MELHOR ÁLBUM DE RAP
“My Beautiful Dark Twisted Fantasy” – Kanye West

MELHOR MÚSICA DE RAP
“All Of The Lights” – Kanye West, Rihanna, Kid Cudi & Fergie

MELHOR ÁLBUM DE R&B
“F.A.M.E.” – Chris Brown

MELHOR ÁLBUM COUNTRY
“Own The Night” – Lady Antebellum

MELHOR PERFORMANCE COUNTRY (SOLO)
“Mean” – Taylor Swift

MELHOR MÚSICA COUNTRY
“Mean” – Taylor Swift, songwriter (Taylor Swift)

MELHOR CLIPE
“Rolling In The Deep” – Adele

MELHOR CLIPE-DOCUMENTÁRIO
“Foo Fighters: Back And Forth” – Foo Fighters

ARTISTA REVELAÇÃO
Bon Iver

MELHOR ÁLBUM FOLK
“Barton Hollow” – The Civil Wars

MELHOR ÁLBUM DE BLUES
“Revelator” – Tedeschi Trucks Band

MELHOR ÁLBUM POP INSTRUMENTAL
“The Road From Memphis” – Booker T. Jones

MELHOR GRAVAÇÃO ELETRÔNICA
“Scary Monsters And Nice Sprites” – Skrillex

MELHOR ÁLBUM ELETRÔNICO
“Scary Monsters And Nice Sprites” – Skrillex/Atlantic

MELHOR ÁLBUM POP DE VOCAL TRADICIONAL
“Duets II” – Tony Bennett & Various Artists
Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.