PLC122: Um Sonho Que Virou "Coisa Alguma"


Não é de agora que discutimos no blog sobre a votação do projeto de lei PLC122, que tem como principal meta, criminalizar a homofobia, e toda forma de preconceito contra os gays.
E para nossa sorte - ou não - o projeto será votado pelo senado na próxima quinta-feira, dia 08/12.
O que deveria ser motivo de alegria, já não é mais, a razão é simples, todo o projeto foi reescrito, e totalmente alterado, e o que deveria ser algo para proteger a comunidade LGBT, acabou gerando o efeito de nada.

Tudo foi refeito/ reescrito pela relatora do projeto, a senadora Marta Suplicy, em parceria com ABGLT e em constantes negociações com lideranças que não apoiavam o projeto anterior, entre elas o bispo e senador Marcelo Crivella.
O resultado disso tudo, foi um conjunto de leis "inócuas" e que não nos garante nada de novo, além do que já temos atualmente.
Segundo a senadora Marta Suplicy este novo texto é "o possível, não o ideal". Ou seja: PORRA NENHUMA!

Estão fora do texto a proteção às manifestações de afeto públicas (segundo o gabinete de Marta, isso nunca seria aprovado); e a injúria coletiva à comunidade gay (as que partem de programas de TV e dos discursos nas Igrejas, por exemplo). O texto também não equipara os crimes homofóbicos aos de racismo e anti-semitismo, o que era a intenção original do PLC 122.

Pode até parecer que seria querer de mais tentar contestar esse novo projeto, mas algo me diz que essa pressa toda, seria apenas uma jogada política para passar a imagem de que "O BRASIL É UM PAÍS DE TODOS".
Fazer leis que não garantem nada de real aos gays é simples perca de tempo, e claro, tudo isso esta gerando um alvoroço político, já que a Frente Parlamentar LGBT deve contestar tudo.
Eu realmente espero que isso aconteça. Sou contra a homofobia, e contra todas as suas variaveis, mas fazer leis de vidro para tentar forjar uma imagem de "pais inclusivo" não cola.

FONTE: Mix Brasil
Share on Google Plus

Editor Blog Para Mocinhos

Thiago Silva - Estudante de jornalismo, 20 e poucos anos, curioso e extremamente gay além de editor e criador do Blog Para Mocinhos. Nos ouvidos um bom eletro pop e um pouco de indie rock, nos olhos um filme qualquer e uma boa companhia, e no coração alguma coisa que nem eu sei o que é ainda.